Confissões - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Confissões

Confissões

07/07/2011


Confissões
Classificação: Livre
Gênero: Drama
Original

Confissões


Quanto tempo faz? Apenas algumas horas? Dias ou semanas?

Qual foi a ultima vez em que choramos juntos? Talvez muito, mas sinto que nosso ultimo desabafo foi em apenas horas atrás, um momento em que derramamos lágrimas, tantas que me dói em lembrar.

Eu sei. Foi minha culpa... Machuquei-te uma vez mais e sofro por sua dor.

Tentei ser diferente, esconder o que ocorria comigo. Mas foi acumulando, a tristeza, os problemas entraram em conflito e me senti sufocado.

Minhas inseguranças, medos e fracassos acompanham minha estrada. Guardei por muito tempo a escuridão presente em minha alma... Minhas costas pareciam carregar o mundo. Eu estava aflito, em um ponto onde cada dia que se passava minha esperança decaia com o passar das horas.


Meu cansaço jamais foi físico, afinal meu corpo sempre gozou de excelente saúde. Era minha alma que clamava socorro, precisando de auxílio...

Os problemas me corroe por dentro. Eu tinha que desabafar... Compartilhar um pouco dos meus temores a alguém.

Pensei que você fosse minha melhor opção... Afinal como minha outra metade, aquela que prometeu sempre meu amar, iria-me escutar e compreender... 

Você escutou, gravou cada palavra que pronunciei, se silenciando por breves segundos... Até que... Tudo desmoronou...

Soluços, lágrimas e sofrimento...

Causei-te magoa, revelando o quanto eu mesmo sofri ao te ver com aqueles que te ama, em seu verdadeiro lar...

Você escolheu a mim! E eu teria feito o mesmo em seu lugar! Abandonaria minha vida, meus familiares e tudo que estimo, para viver uma nova vida ao seu lado.

Não forcei nada, ao contrario, contei-te que esperaria; que aguardaria o momento em que você estivesse pronta. Minha surpresa e alegria foram ouvir de sua pessoa que finalmente ficaríamos juntos! Que quilômetros não mais nos separariam, eu não me contive de tamanha felicidade! Teríamos o Sempre ao nosso lado!

Mas a saudade apertou. Seu coração pedia em ver aqueles que te estima e querem bem. Você sentia falta de seus entes queridos e prontamente atendi seu desejo, fomos visitar seus parentes.

Senti-me um destruidor, um egoísta... Vi o quanto sua família dependia de você... Sua presença trazia enorme alegria. Todos sorriam, emanando uma grande estima por sua visita. Vi o quanto feliz sua alma demonstra estar. Seu rosto se iluminava de tanto amor...

Em meu interior provei da mais alta dor. Presenciei o quanto fiz mal em entrar em seu caminho, em sua vida... Eu quis chorar, desaparecer, dizer para que ficasse e voltasse a ter o lar em que eu a tirei.

Novamente pensei em mim, pois jamais conseguiria continuar sem sua preciosa companhia. Sem seus beijos com o nascer do sol, sem seu perfume ao sair do banho... Não poderia mais ficar sem ouvir sua terna voz em meus ouvidos, dizendo que me ama...

Voltamos para nossa humilde casa, onde revelei meus maiores temores. Confessei-te que abriria mão de você, para que voltasse com sua vida de antes.

Você outra vez, com seu jeito encantador e sereno, gaguejou os mais profundos sentimentos a me dizer:

- Minha felicidade com minha família é completamente diferente da felicidade que tenho ao seu lado! – as lágrimas escorriam de sua face vermelha. Seu choro abafava suas palavras, mas meu coração ouviu perfeitamente cada uma delas. – Hoje eu já não viveria sem você! Eu quero ficar com você!

Posso ainda sentir-me um egoísta, pode ate ser patético, mas fico maravilhado em saber que aos longos dos dias que passavam, nosso amor vai crescendo. Criando raízes, curando as inúmeras feridas que ganhamos com a longa estrada que começamos a traçar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!