Pequena Estrela - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Pequena Estrela

Pequena Estrela

19/07/2011


Pequena Estrela
Classificação: Livre
Gênero: Amizade, Drama
Baseado em Bleach

Pequena Estrela


Certa vez me perguntaram o que me fazia feliz. Descrente de como responder a tal pergunta, eu apenas fitei o céu e encarei as estrelas que surgiam na imensidão do azul-escuro daquela noite...

O vento soprava aos poucos. Acariciando não apenas minha face, mas também do meu questionador. A pessoa esperava ansiosa pela minha resposta. Só que eu ainda continuava a observar aquela imensidão acima de nós. Confesso que precisei refletir para saber o que de fato responder.

Procurei no fundo, bem dentro do meu coração, qual a razão da minha felicidade. Foi difícil compreender as vozes dos meus sentimentos, afinal, por anos eu os ignorei. Ou melhor, fingi não escutá-los, pois para mim, aquela era a decisão correta. Era melhor ouvir a razão ao invés do coração... Pelo menos naquela época, era o que eu definitivamente acreditava...

Foi minha alma que decidiu dar um empurrãozinho e dizer o motivo que me traz felicidade.

- O que me faz feliz? – suspirei, enquanto mais uma vez ergui meus olhos para o céu. As luzes no alto brilhavam de maneira esplendorosa. – Ajudar a mulher que vive em meu coração e carrega o coração de outro!

Perplexo, meu companheiro me observou curioso. Pude notar seus orbes cheios de duvidas, como se tentasse compreender cada palavra, cada uma das silabas que pronunciei.

Dando um dos meus muitos sorrisos debochados, volto minha atenção para onde realmente meus olhos querem espreitar.

Os animais da escuridão começavam a dar seus primeiros cantos. A coruja avisava o cair das horas. Quanto percorro as linhas de luzes a cima, me pego pensando em minhas próprias palavras. As mesmas ditas há poucos minutos.


Ajudar a mulher que vive em meu coração e carrega o coração de outro... Sim é estranho de compreender. Só que é exatamente isso. Há tempos percebi que o melhor para ela, definitivamente não sou eu!

Bem que eu queria ser esse alguém... Aquele a qual a entenderia e compreendia.
No entanto, não fui capaz de estar ao lado dela quando mais precisou. Em seus momentos de solidão, eu lhe dei as costas. A abandonei e pago o preço até hoje.

Na verdade nunca entendi essa questão de amor, nem consegui ser capaz de entender meus sentimentos. Era tudo tão confuso, que acabei lhe passando uma imagem errada. Eu não queria ser cruel, ou invejoso...

Eu apenas queria vê-la com uma família de verdade... Por me mostrar indiferente, sofro até hoje. Tento desesperadamente alcançar um espaço no coração da pequena, não um lugar referente ao amor e sim um espaço que me foi reservado há anos e que infelizmente rejeitei...

Éramos como irmãos, uma família formada por mim, por ela e nossos amigos de infância. Um vivia da companhia do outro, éramos o único auxílio para os dias melancólicos e tristes.

Por crescermos sem ter pais, ou qualquer pessoa para nos acolher, montamos então nossa própria família. Onde cada um dos nossos companheiros e nós mesmos, aceitamos virar irmãos. Irmãos de alma, irmãos do coração... Mas infelizmente alguns deles foram tirados de nossa companhia. A morte acabou sendo a causa da separação dos nossos amigos. Ficamos apenas eu e ela...

Anos se passaram e a companhia um do outro se tornou ainda mais forte. Nosso laço foi se fortalecendo... Certo dia, percebi que meus próprios sentimentos haviam mudado. Eu a considerava o ser mais importante da minha vida. Alguém em que eu protegeria e salvaria e tudo e todos...

Confesso que eu a amava... Na verdade ainda amo, mas esse sentimento outra vez se transformou, voltando a ser o que sempre foi... Retornando ao que deveria ter sido desde o começo...

Sei que qualquer um jamais vai entender, mas eu nunca quis que ela ficasse nesse mundo sujo, pobre, comum... Que eu, pouco a pouco me acostumei...

Eu sempre fui “vagabundo”, o “perdedor”, a “ralé” – como dizem... – e nunca quis que ela continuasse nesse mundo! Eu queria algo melhor para ela. Podia dar o mundo se ela me pedisse, e ao vê-la conversando entusiasmada com a nobreza... Fiz o que minha razão julgou estar certo... Não escutei meu coração que clamava para não deixá-la ir...

Fiz com que a pequena achasse que eu não me importava com ela. Deixei que a pessoa mais importante da minha vida saísse por entre as minhas mãos... Por que considerei aquela opção mais favorável a ela... Afinal, o que ambos ganharíamos se continuássemos nesse mundo miserável a qual crescemos? Nada absolutamente, nada...

Nunca me perdoarei por tê-la feito sofrer, como sofreu naquele dia em que desisti... Desisti dela... Sim, realmente... Só que foi por uma boa causa não?

Quem sabe...

Hoje depois de anos, não sou mais insignificante. Subi consideravelmente na vida, e atingi um posto alto no esquadrão a que pertenço!

Consegui o respeito de meus companheiros, meu superior e amigos. E ao encontrá-la, eu quis ainda mais protegê-la!

Tornei-me forte, a ponto de conseguir o que muitos raramente conseguem... Só que não era o bastante... Não se eu quisesse trazê-la de volta...

Foi então que tudo aconteceu... Eu não tinha apenas um rival, e sim dois... Aquele que um dia me tirou o tesouro, e aquele que assim como eu, estava dando sua própria vida para salvar aquela baixinha irritante!

Para o segundo eu implorei, me ajoelhei e pedi para que ele a salvasse em meu lugar naquele dia... Nenhuma das minhas técnicas e poderes a ajudaram, e mesmo com o orgulho ferido, eu tinha que pedir... Pois se fosse por ela, não fazia mal se não fosse eu ali...

E diante dessa pergunta, desses anos todos que se passaram... Eu posso, dizer sem dor, sem magoas...

- Por amá-la tanto, eu não me importo de abrir mão dela... – eu disse enquanto uma leve brisa soprava...

Eu a considerava como uma estrela... Uma pequena estrela brilhante, como uma luz tão intensa e forte, que eu jamais poderia alcançar... Não importasse o quanto eu tentasse, eu acreditava que nunca chegaria perto dela novamente...

Quanto mais eu seguia em frente, fortalecendo minhas habilidades, ela continuava ainda mais longe... Era inalcançável... Isso por que, eu me considerava um fracassado... Um erro na verdade...

Posso não ser tão poderoso quanto os dois, mas hoje... Ainda mais que antes, eu quero protegê-la e fazê-la feliz!

E se não é comigo que encontrará a felicidade... Minha responsabilidade é ajudá-la a salvar e proteger aquele que ela realmente ama!

Realmente... Não dói deixá-la ir agora...

- Yo! Ichigo! Vamos! – digo ao meu questionador, que ainda tentava entender o significado da Minha Felicidade.

Um comentário:

  1. '-' não entendi muito bem esse, talvez porque não conheça muitos personagens de Bleach, mas enfim, muito bom ^^

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!