A fazendeira e o ladrão #1 - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: A fazendeira e o ladrão #1

A fazendeira e o ladrão #1

16/09/2011


O Príncipe das Estrelas - A fazendeira e o Ladrão
Classificação: 16 anos
Gênero: Romance, Drama
Baseado em Harvest Moon Ds Cute

Capítulos Anteriores:







O príncipe das Estrelas
A fazendeira e o ladrão


Capítulo Um

“– Tem certeza disso? – perguntou o homem de meia idade. – Você tem uma bela casa em Mineral Town, vai abandonar tudo mesmo?


Ele olhou para ela, os olhos suplicantes, esperando uma resposta, mas já sabia as palavras da garota antes mesmo dela pronunciar.

- Não me leve a mal, amo essa cidade e seus moradores... – falou a jovem, seu olhar era vago, um misto de tristeza e raiva pairava em seus orbes azuis já desbotados com o choro. – Mas depois de tudo, de todas as coisas que ele me fez, não posso continuar nessa cidade! Quero esquecer, apagar o que houve, sei que morando em outro lugar não vai mudar o que aconteceu, mas pelo menos vai amenizar a dor que estou sentindo.

- Entendo. – respondeu o senhor, não poderia ele impedi-la. – A única coisa que posso fazer agora é te desejar boa sorte, e que o vale Forget-Me-Not, seja um bom lar para você.

- É o que esperto também... “


***



Claire havia se mudado para o vale Forget-Me-Not há alguns meses. Construirá uma casa modesta no centro, o terreno era grande o bastante para seus sonhos. Sonhos que ela lutava dia após dia, e via que os lucros iam bem em sua fazenda.

A jovem vinda de cidade grande estava deslumbrada com a paz do vale, seus moradores sempre alegres e gentis a fazia se sentir acolhida, fizera boas amizades nos poucos dias que se instalara em seu novo lar.

Deita em sua cama, Claire parecia ter um sono calmo, seus longos cabelos loiros posicionados ao travesseiro escondiam parcialmente seu rosto suave.

- Acorda, vamos! – sussurrou ao pé da cama. Já fazia minutos que tentava acordar Claire. Com a paciência no limite, serrou os dentes, somente havia uma forma de acordá-la.
- ACORDA LOGO, OU VAI QUERER QUE EU TE TRANSFORME EM UM SAPO?

Não havia outro jeito a não ser gritar com a amiga desacordada, ameaçando-a com um feitiço.

O grito foi alto o bastante para que não somente a fazendeira acordasse, mas assustasse os pequenos animais de Claire, que correram para debaixo da cama.

- Witch? O que faz aqui? – perguntou para a sua visitante. A jovem não se lembrava de ter convidado a bruxa para ir à fazenda, nem ao menos tinha idéia de terem combinado algo para aquela manhã.

- Claire, eu preciso de sua ajuda! – declarou a feiticeira, seus olhos escarlates encarava a amiga recém acordada.

A fazendeira estranhou, não acreditara no que ouvia. Witch não era uma pessoa de pedir ajuda, a princesa das bruxas era orgulhosa demais para isso, somente podia significar uma coisa, e não poderia ser nada bom.

- Afinal o que quer Witch? – perguntou ao se levantar. – Ainda são seis da manhã! Só espero que não tenha feito nada de errado, você sabe muito bem o que a Goddess pensa sobre os seus feitiços!

- Bem... Na verdade é sobre ela que eu queria falar. – disse a bruxa, que sentiu seu rosto esquentar ao ouvir o nome da rival.

Encarando com curiosidade, Claire se pergunta o que poderia ter acontecido. As brigas de Witch e Goddess, a Deusa da colheita, sempre acabavam da pior maneira. As duas mantinham uma rivalidade eterna, a Deusa tinha suas duvidas quando a bruxa, ela temia que mais cedo ou mais tarde, Witch pudesse fazer algo contra o vale. No entanto, Claire compreendia que no fundo a feiticeira não era má quanto a Deusa pensava e por essa razão sua amizade se estendida as duas, torcendo para que um dia elas pudessem se entender.

Mas desta vez a briga foi muito além do que Claire viesse a imaginar...


***



Logo cedo, antes mesmo do sol iluminar Forget-Me-Not, Witch e Goddess começaram uma batalha, a bruxa queria de uma vez por todas vencer a Deusa, não agüentava mais ouvir seus repetitivos “Tadaaaaa!”. Só não esperava que a rival pudesse cancelar todos os feitiços, era como se ela e Goddess fossem o oposto, duas forças decidindo quem venceria; igual à Luz e a Escuridão.

Cientes que ambas perderiam, optaram por deixar a batalha para outro dia e cada uma seguiu para um caminho diferente.

- Arh! – bufava a bruxa. Seus orbes vermelhos vibravam intensos, bradando raiva. – A Deusa é sempre tão irritante! Além de não me deixar fazer os feitiços que quero, ela sempre aparece em toda parte dizendo “Tadaaaaa!”. Isso me deixa louca! Mas da próxima vez vou calá-la para sempre, e nunca mais ela vai falar aquelas malditas palavras outra vez!
O sol nascia ao poucos, nem mesmo os pássaros que cantavam podiam amenizar a raiva da jovem.

A brisa da manhã balançava os loiros cabelos de Witch, que se arrepiou sentindo-se ameaçada.

- Quem esta ai?

Ela podia sentir algo próximo, uma presença quente e pura, uma energia como se o próprio sol viesse junto, somente uma pessoa tinha essa aura.

- Tadaaaaa! – falou a Deusa com um sorriso no rosto, em sua companhia vinham seus legais Sprites, seres encantados que tinham como missão proteger o vale ao lado de Goddess.

Com os nervos a flor da pele, Wich não mede esforços para atacar a rival que não teve tempo para anular o feitiço pronunciado.

- Petrificus Totalus.

Ao ver o resultado de suas palavras, a bruxa se espanta. Pensara ter transformado a Deusa em sapo, mas surpreendeu ao ver a estatua de pedra que uma vez havia sido Goddess.

- Ops! – encabulada Witch sorri, por mais que não quisesse isso a rival, era engraçado vê-la naquela situação. – Vou tentar mais uma vez!

Focada, a jovem se concentra para lembrar-se do cancelamento. Reunindo as energias ao seu redor Witch espera acertar dessa vez, seu cabelo dourado planava no ar, as mechas onduladas brilhavam com as auras que viam da natureza.

- Desapareça Kedavra - conjurou novamente apontando sua farinha a estatua.

Infelizmente a princesa das bruxas tinha o péssimo habito de confundir os feitiços, eram raros os momentos em que suas poções ou ataques mágicos davam certo. Desta vez Witch sabia que tinha passado dos limites, não bastasse a Goddess ter sido transformada em pedra e agora tinha feito a mesma desaparecer, deixando preocupados os pequenos Sprites.

Red Ribon líder dos Sprites vermelhos ficou furioso partindo para cima da bruxa, exigindo uma explicação.

- O que fez com Harvest Goddess? – sua voz grossa intimidando a todos.

- Silencio! – interrompendo o duende, Witch tenta entender o que aconteceu, mas nada lhe vinha à cabeça naquele momento. – Vocês são os guardiões dela! Não conseguem saber para onde ela foi parar?

- Como vamos saber? – Red Ribon se alterava cada vez mais à medida que o tempo passava. – Foi VOCÊ que a fez desaparecer! Devolva Harvest Goddess a nós!
Temendo que uma nova batalha se iniciasse Paige, líder dos Sprites Azuis, intervém, ele já tinha suspeitas da onde a Deusa poderia ter sido mandada.

- Parem com isso! Nós não temos tempo! – tendo a atenção que queria Paige continua
– Precisamos salvar Harvest Goddess! Se ela foi transportada, o único lugar para onde ela foi é Springe!

O Outro Mundo ou como os Sprites o chamam: Springe, a terra da magia, o lar de Goddess e o Rei Harvest.

Novamente os pequenos se entreolham. Por mais que o líder dos azuis estivesse certo, não havia como eles, os Sprites irem até Springe, somente a Deusa tinha o Poder de levá-los.

Impaciente, a bruxa logo percebe o erro que cometera, ela tinha plena consciência que os ajudantes de Goddess não conseguiriam abrir o portal, e para sua sorte nem mesmo ela, a Princesa Witch poderia conjurar tal magia.

- E agora, o que eu vou fazer? Não posso ficar sem a Deusa! Quem eu vou importunar agora? – disse a moça a si mesma.

A culpa começou a afligi-la, por mais que odiasse Goddess, Witch não conseguia imaginar um mundo sem a rival, seria chato e entediante ao seu ponto de vista.

- Muito bem! – ordenou ela. Os Sprites ouviam com atenção. – Cada um dos guardiões da Deusa será mandado a Springe, acho que sei uma magia para abrir o portal!

- O que? – diz Red Ribon assustado, ninguém além da Deusa poderia abrir aquela passagem. O líder sabia tudo que saia dos lábios da bruxa dava errado.

- Portus portari!

Agora tanto Goddess, quanto seus preciosos guardiões precisavam de ajuda, afinal Witch sabia que sua magia não seria precisa o bastante para trazer todos de volta.


*Créditos ao autor da imagem


Sammysam Rosa

Escrito por:

Sammy. Casada e apaixonada por livros. Gosto de literatura policial, suspense e terror. Típica pisciana, sonhadora e curiosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!