Resenha - Dom Casmurro - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Resenha - Dom Casmurro

Resenha - Dom Casmurro

30/11/2011







Dom Casmurro escrito em 1899 por Machado de Assis, viria a ser o seu livro de maior destaque pelos anos seguintes. Um dos três livros que completam a trilogia realista de Assis, Dom Casmurro conta a estória de Bento Santiago, homem amargurado, assombrado por duvidas do passado, que ele decide expor um livro(isso mesmo, Bento escreve um livro sobre sua trajetória de vida). Começando com sua juventude, Bento descreve suas memórias em primeira pessoa, mostrando como foi sua vida no seminário e mais adiante seu romance com Capitu, amor esse repleto de ciumes e duvidas.

A estória se passa no Rio de Janeiro na época do Segundo Império, ao longo do livro Bento nos conta como conseguiu a alcunha de Dom Casmurro, tendo ai o seu título para o romance.

Adaptado para diversas linguás Dom Casmurro influenciou autores como: John Barth, Graciliano Ramos e Dalton Trevisan. Considerado a obra-prima de Machado, em sua estória alcança o mesmo destaque que Otelo de Shakespeare.

Bento de Albuquerque Santiago, advogado de 54 anos, vive uma vida solitária, porém boa e confortável para sua época. Decido atar as duas pontas de sua vida, a juventude e a atual, eis que surgi a ideia do seu livro.

Bento nos conta o por que de Dom Casmurro, sua alcunha foi dada por um poeta que o oportunava em uma de suas viagem de trem. Poeta esse que insistia em narrar seus versos, por ter fechado os olhos de três a quatro vezes durante as citações, eis que o Poeta lhe chama de Dom Casmurro.

Por ter um carácter fechado e hábitos reclusos, tanto seus vizinhos e amigos deram fama a essa alcunha, fazendo assim a inspiração para o título de seu livro.

Conforme avançamos, o narrador passa a nos contar as experiencias que teve ao ir a seminário a mando de sua mãe. Impulsionada por uma promessa do passado, Dona Gloria concretiza essa promessa ao saber que seu filho Bento esta apaixonado pela vizinha pobre Capitolina.

Durante o seminário Bento conhece Ezequiel, rapaz que vem a ser seu melhor amigo e centro de seus futuros problemas.

Mais tarde ao largar o seminário e estudar Direito, Bento se casa com seu primeiro amor. Tendo no inicio uma vida feliz, afinal tinha a mulher que sempre amou e um grande amigo ao lado. Ezequiel casa-se com Sancha, amiga fiel de Capitu.

Ambos os casais desfrutam da felicidade de terem o primeiro filho. Bento e Capitu escolhem o nome de Ezequiel homenagem a companheiro de Bento, do outro lado, Sancha e seu marido nomeiam a filha de Capitolina.

Infelizmente nada são flores na roda do destino, em 1871, Ezequiel(o pai) morre afogado e durante o enterro, não apenas Sancha esta sofrendo, mas Capitu parece estar tão de luto tanto quanto a esposa de Ezequiel, sofrendo uma dor tão grande que ressalta aos olhos de Bento.

"A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas...
As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã."

Desconfiado, Bento estranha a atitude de sua esposa, em seu interior a duvida crescia, começando assim até mesmo a desconfiar da paternidade de seu filho.

"E bem, qualquer que seja a solução, uma cousa fica, e é a suma das sumas, ou o resto dos restos, a saber, que a minha primeira amiga e o meu maior amigo, tão extremosos ambos e tão queridos também, quis o destino que acabassem juntando-se e enganando-me."

No entanto, em nenhum momento do livro, Dom Casmurro descobre que Capitu de fato o traiu ou não, apenas as duvidas rondavam, nada de concreto foi revelado. Claro que o fato do filho de Bento ser loiro e ele e Capitu terem cabelos negros, fez com que sua mente trabalhasse e criasse suposições. 

Mas, não havia provas, sendo assim, o leitor decide o final da mais famosa obra de Machado.

Inúmeros livros foram criados tentado descifrar o mistério que o Mestre deixou, só que apenas Ele poderia de fato dizer se houve adultério ou não.

Machado de Assis levou com ele todas as respostas, ficando no mundo terreno apenas perguntas. Cabe aos leitores de Dom Casmurro tirarem suas conclusões!


Avaliação:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!