A aventura na Ilha Sunshine #2 - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: A aventura na Ilha Sunshine #2

A aventura na Ilha Sunshine #2

07/03/2012


A Ilha do Sol - Uma aventura na Ilha Sunshine
Classificação: 14 anos
Gênero: Romance
Baseado em Harvest Moon Sunshine

Capítulo Anteriores:




A Ilha do Sol
A Aventura na Ilha Sunshine
por Sammy


Capítulo Dois

Terminadas as apresentações, Chelsea ficou um pouco aliviada, era estranho ela ficar tão constrangida, já que adorava conhecer gente nova.

Antes de sair, Mirabelle lhe convidou para passar em sua casa e almoçar com sua família. A jovem concordou com o convite, afinal não tinha como Chelsea preparar comida e o dinheiro que tinha, já estava destinado para as compras de sementes na loja do Chen.

Olhou ao redor do rancho, não notou o quanto era grande, a área para plantação cobria uma boa parte do lugar, mas precisava urgentemente ser limpo.

As ervas daninhas estavam por toda a parte, além de pedras e pequenos troncos de madeira, era bem visível que o lugar não estava sendo utilizado há algum tempo, só esperava que a terra fosse produtiva.

O que mais chamou a atenção da garota, foi o moinho de vento que ficava ao lado esquerdo do rancho, era a primeira vez que via um tão de perto. O moinho tinha sido construído com madeiras, dando ar bem antigo á ele, detalhes em vermelho o tornavam bem bonito aos olhos de Chelsea, ele rodava de vagar, pois a brisa fresca da primavera era leve, quase impossível de sentir.

Um pequeno lago estava em baixo do moinho, a água cristalina parecia brilhar com a ajuda da luz do sol daquela manhã. Na parte ao norte do rancho, ficava o estábulo, o engraçado era o fato de ele parecer ser maior que a casa que iria morar.

Sua primeira tarefa foi limpar o terreno das plantações, ou melhor, tentar limpa-lo, pois como não possuía nenhuma ferramenta, tinha que usar as mãos. Arrancar ervas daninhas mostrou-se uma tarefa árdua e difícil, a cada uma que tirava, a próxima parecia que ficava mais forte, nas palmas de sua mão, surgiram pequenas cortes, afinal as finas folhas daquelas pragas a estavam machucando.

O relógio marcou nove e meia da manhã, quando Chelsea acabou desistindo de tirar as ervas daninhas, por sorte um bom pedaço de terra ficou limpo, sendo agora possível plantar, mas como iria arar a terra sem uma enxada?

Sem equipamento necessário, como o rancho seguiria para frente? Milhares de perguntas invadiram a mente da garota, era varias questões e nenhuma tinha solução, lhe ocorreu pedir ajudar aos pais, mas não podia, tinha seu orgulho, os dois a ensinaram a correr atrás de tudo que queria, mostraram que nada cai do céu, se quisesse algo, o único jeito era trabalhar duro, por tanto tinha que haver uma maneira, pedir ajuda a eles estava fora de questão, iria provar ser uma ótima rancheira, como a mãe foi.

Deixou as questões de lado, pois Mirabelle lhe disse para estar em sua casa antes das dez, não entendia por que aquela senhora fazia tanta questão dela ir tão cedo, afinal tinha sido convidada para almoçar.

Saindo do rancho, seguiu até o caminho para a ilha Verdure, que parecia uma típica vila do interior, tirando o fato de ser uma ilha. As casas davam a impressão de serem bem modestas, mas de certa forma tinham sua elegância.

Achar a casa de Mirabelle foi simples, o imóvel se destacava mais que os outros, era feito de uma madeira diferente, com uma coloração avermelhada, claro que o silo ajudou bastante a identificação do lugar.

O céu daquela manhã de segunda-feira tinha algumas nuvens, os pássaros voavam alto, Chelsea já tinha se esquecido como adorava ficar olhando as nuvens, cada uma de um formato diferente. Antes mesmo de tentar bater na porta, ela se abre, parado na entrada da casa, um rapaz a encarava, seu olhar gelado, lhe dava medo.

Chelsea ficou em silencio, assim como ele, sentiu suas bochechas ficarem quentes, provavelmente já estava vermelha como um pimentão. O que podia fazer, mesmo com aquela expressão rabugenta, o rapaz era bonito, a garota não recordou de ter conhecido alguém assim onde morava, de fato as pessoas de sua terra natal, eram bem mais velhas que ela, sendo da idade dos pais ou superior, mas o estranho parado na entrada da casa de Mirabelle parecia ter sua idade.

O rapaz possuía cabelos prateados que iam até o pescoço, usava um lenço branco, por cima da roupa preta, um colete que combinava muito bem, por último um chapéu também preto com detalhe marrom, ele parecia um cowboy daqueles filmes antigos, a corda na cintura, lhe dava aquele ar de mochinho do velho oeste, que faria de tudo para salvar a donzela em perigo.

- O que quer?- o tom da voz dele era amargo, fazendo a garota repensar o conceito dos mochinhos de filmes. – Vai ficar parada ai, ou vai dizer alguma coisa? Anda por que eu não tenho o dia todo!

- Como? – nem ao menos se conheciam, e ele já tinha sido mal educado.

O rapaz não disse nada, continuou a encará-la, pensando em qual parte do “O que quer?”, ela não havia entendido.

- Vaughn! – uma voz no interior da casa podia ser ouvida, era Mirabelle. – Isso são modos de falar? O que foi que combinamos?

Ainda em silencio, Vaughn libera a entrada para Chelsea, e mesmo assim não deixou de recriminá-la com o olhar, que parecia em fúria por conta da bronca que acabará de receber.

- Não ligue para ele querida, Vaughn é assim com todos.  – Mirabelle com a mesma gentileza, conduz a garota pela casa, às paredes de madeira davam um toque especial ao lugar, de longe não era uma simples casa. – Não se deixe enganar, Vaughn é um homem gentil e honesto, só um pouco mal – humorado.

Vaughn desviou o olhar, não queria mostrar que de certa forma estava envergonhado com as palavras de Mirabelle, a pessoa mais próxima de uma mãe, que ele tinha.

- Venha quero lhe apresentar minha filha Julia. – disse a senhora por fim.

Julia possuía alguns aspectos da mãe, como os olhos azulados e os cabelos louros, que eram levemente ondulados, o cuidado com eles era bem visível, suas roupas no tom azul, lhe dava um aspecto descontraído e alegre, Chelsea tinha a impressão que elas seriam boas amigas e esperava o mesmo de Vaughn, mas tentou ignorar o fato de se sentir um pouco atraída por aquele rapaz rabugento.

2 comentários:

  1. Olá Sammy, seu blog ganhou uma tag, veja em: http://demeterofthehighway.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Sammy!!! Vim rapidinho te avisar que já coloquei sua entrevista lá no DSM... Coloquei alguns comentários meus, pra ficar bem dinâmico, espero que você goste.
    Vou aproveitar e ler o post... Não sei se já te disse, mas me divirto lendo suas fanfics!!!

    Mil Sweetkisses ♥
    www.docesonhodemenina.com.br

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!