Memória de um Policial #9 - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Memória de um Policial #9

Memória de um Policial #9

14/06/2012


Memórias de um Policial - Um Assassino entre nós
Classificação: 13 anos
Gênero: Ação, Mistério, Universo Alternativo (Fanfic)

* Para total compreensão do capítulo a seguir, é recomendável ler: Capítulo Um, Capítulo Dois, Capítulo Três, Capítulo Quatro, Capítulo Cinco, Capítulo SeisCapítulo Sete e Capítulo Oito

Memórias de um Policial
Um Assassino entre nós
por Sammy



Capítulo nove



Os pingos de água caem em uma poça próxima, seu barulho estridente soa alto o bastante para me incomodar. Afinal o único som emitido por mim e meus companheiros é o eco dos nossos sapatos, além de nossas respirações ofegantes. Cada um tem seu próprio receio, seu temor. Pelo menos é isso que sinto a cada passo que damos, pelos corredores mal iluminados do armazém.

O suor frio em minha testa escorre a medida que avançamos. Limpando-o com a costa de minha mão direita, faz com que a pele de minha face encoste-se ao metal cinza e gelado da Colt.

Com dificuldade para tomar nem que seja um pouco desse ar imundo, começo a respirar pela boca. É como se estivesse correndo, sem correr. Eu sugo todo o ar que consigo, e ainda mais ofegante, pareço estar engolindo em de vez de respirar.

- Ichigo tudo bem? – pergunta Rukia ao constatar não apenas meu nervosismo, mas também a dificuldade que tenho para a simples tarefa de respirar.

- N-Não se preocupe! – digo ao forçar um sorriso. E como a pequena arca as sobrancelhas, eu nota que não a convenci. – Sério Rukia, eu estou bem! Quem sabe seja a consequência daquela chuva. – sorri ainda mais, e lhe respondo de maneira suave. Forçando-a se recordar do cemitério, quando nos abraçamos e choramos em frente ao tumulo do Kaien em pela chuva.

Eu consegui o que queria. Pois ao se lembrar, a Kuchiki se afasta para frente quase ao lado de Renji, que nos guiava com o mapa nas mãos. Só que antes dela virar seu delicado e branco rosto, vejo o quanto ficou vermelha com a menção da chuva.
Com o estômago se revirando e uma pontada aguda na cabeça, eu pareço estar a ponto de ter um colapso nervoso! Minha nuca dói como nunca senti! É como se eu fosse atingindo por várias agulhas, uma sendo fincada depois da outra e retirada logo em seguida, para novamente voltar à dor.

- Kurosaki? – com um olhar preocupado, Toushiro que anda ao meu lado não acredita na explicação que dei para Rukia.

- Qual é Comandante Hitsugaya? Não me diga que também ficou melodramático e passou a se preocupar comigo? – brinco para disfarçar o mal estar que consome meu corpo. Até minhas pernas tremem, como se não suportassem o meu peso, que essa hora eu sinto que havia dobrado ou triplicado!

Surpreso, o baixinho arregala os olhos. Encarando-me de uma forma estranha, Toushiro me observa estranhamente. O que está errado? Quer dizer, fora a minha aparência de morto-vivo, que deve estar tão evidente, revelando o quão mal eu aparento.

- Qual o problema Kurosaki? – a voz tremula do comandante, desperta a atenção de Rukia e Renji, que param, esperando o pequeno continuar. – Você nunca me chama de Comandante Hitsugaya! Então fala logo Ichigo! Se esta passando mal, então me diz!

Foi impressão minha, ou ele acaba de me chamar de Ichigo? Esta bem, se ele acha que existe problema em eu o chamá-lo de Comandante Hitsugaya, então por que fica bravo quando não o chamo assim? Realmente nunca vou entender esse cara de cabelo prateado e olhos esmeralda refletindo uma aflição que nunca demonstrou antes!

Abarai e Rukia se entreolham perplexos, mas não compreendo se seja por causa da minha indisposição ou pelo Toushiro estar preocupado e ter me chamado pelo primeiro nome! Digo que a preocupação dele é um espanto até para mim, pois Hitsugaya somente mostra seus sentimentos quando o assunto é a Momo. Não que ele ligue menos para nós, mas quando se trata dos outros companheiros, Toushiro apenas se revela distante ou frio, o que talvez signifique indiferença. No entanto, sei que meu oficial se importa com todos, mas da maneira dele! Mesmo criticando ou reclamando, eu sei que Toushiro preocupa-se e enfrenta qualquer coisa pelo nosso bem! Assim como sempre farei também!

- Já disse! Não há razão para tanto estardalhaço por minha causa! Estamos aqui para achar a Hinamori, correto? – falo o mais natural possível. E sorrio mais profundamente. - Se ficarmos perdendo tempo pode ser tarde de mais! – os três se encaram por um breve momento, eu sei que nenhum deles tem confiança nas minhas palavras. – Repito! Eu ESTOU BEM! – grito nessa última frase, e bato minha própria arma contra o peito, eles precisam, ou melhor, nós precisamos continuar!


Renji deu nos ombros e volta a caminhar em passos rápidos. Rukia para não perder o ritmo, também continua, mas eu vejo a dor e a inquietação naqueles belíssimos olhos violetas. Eu odeio deixá-la preocupada, mas não posso permitir que sua mente se focasse em mim. Hoje temos uma missão a cumprir, e precisamos nos concentrar nela!

Assim que nossos pés movem-se outra vez, dou um suspiro de alivio. Pelo menos agora, estaremos chegando perto. Quem sabe mais alguns passos e logo entraremos na entrada da sala marcada com X.

Eu estou bem! Repito, tento agora convencer a mim mesmo. Mas sei que não é bem assim. A ânsia, o frio na espinha e todos os meus ossos parecem tremer. As batidas frenéticas do meu coração são tão altas, que penso que todos ouviram a qualquer momento e novamente cada um deles me questionará sobre meu estado.

Ah, droga! Tudo isso por conta daquele último sonho que não sai da minha cabeça!

Se eu fechar os olhos ainda posso inalar o perfume forte do mar de sangue. A repulsa que senti ainda é intensa, principalmente ao me lembrar de todo o liquido rubro afogando-me. Era espesso e seu cheiro parece acompanhar-me ao passo que damos em direção a tal saleta. Mesmo assim, o que mais me causa aflição é ouvir pelos segundos adentro a voz de Shiba Kaien!

Seu aviso sobre o porão o seja lá o que fosse esta me tirando do serio! Principalmente depois que dei uma espiada no mapa e constatei a sala marcada ter um porão bem abaixo dela! Ver esse outro cômodo fez com que o pesadelo retornasse com uma rapidez e poder incrível! É como uma ventania poderosa anunciando o começo de uma violenta tempestade...

Não sou alguém que acredita em certas coisas, principalmente se tratando em revelações ou premonições. Mas... O sonho e o aviso estão me afetando. Toda parte do meu corpo parece repelir a ordem de continuar andando e seguir em frente. Uma voz bem fraca, quase que imperceptível me diz para dar meia volta e deixar para lá... O timbre dessa voz é suave, e tão acolhedor que me vem em mente à imagem de minha mãe.

Os longos cabelos cor de mel, quase puxando ao meu tom alaranjado e seu perfume jasmim delicioso que emanava de sua pele macia como seda, o toque quente como de qualquer mãe que reconfortava o coração de seu filho...

Ah... Recordar dela faz com que a sensação ruim cesse por um curto período de tempo. Conforto esse que some, quando ouço um sussurro bem próximo ao meu ouvido. É tão próximo que noto um hálito quente acariciando minha pele e arrepiando a mesma. Afinal, nesse momento somos apenas nós quatro no corredor.

- Cuidado Ichigo... O perigo te rodeia querido...

Eu reconheceria aquele som em qualquer lugar. Com certeza é ela! Ninguém mais no mundo me chama de assim, a não ser ela! Minha mãe... Mas como eu a ouvi e isso não sei explicar, o mais assustador é claro foi constatar o cheiro de jasmim me envolvendo como em um longo abraço...

Meu coração se acelerou tão depressa, que senti minha pulsão doer. O medo aflora ainda mais do que a recordação do sonho. Isso por que minha mãe esta morta!

Já faz mais de anos que ela partiu para um lugar melhor... Só que assim mesmo é o perfume dela que respiro agora! É a presença dela que esta me abraçando e é a voz dela que continua a falar!

- A morte esta ao seu lado querido...

Engolindo a seco, respiro bem fundo tomando coragem para olhar o que pode estar atrás...

Aliviado, dou um grande suspiro ao notar que não há nada nos corredores que se distanciam. Talvez fosse só uma alucinação do momento... Só que ao virar para meus companheiros, dou um pulo e caminho para trás...

Seus olhos, a íris carinhosa que sempre faziam desaparecer qualquer tristeza. Encaram-me de uma forma irreal... Ela não pode estar ali! É tudo uma ilusão!

Ajoelhando no chão, deixo minhas mãos caírem no solo gélido abaixo. Procuro fechar minhas pálpebras enquanto repito para mim mesmo, Não é real!

- O perigo te rodeia querido... – ela sussurra ainda mais perto. Seu perfume mistura-se com o calor do seu hálito. Eu posso sentir sua mão fria em meus ombros. Até que meu desespero se torna pior quando seu espectro assopra meus cabelos e o calor do seu gesto me arrepia a cada centímetro.

 - Ichigo! Ichigo! – o chacoalho daquelas mãos acabam por me tirar de uma espécie de hipnose. Desejei até que Rukia me batesse. Coisa que não aconteceu. A única coisa que a Kuchiki fez, foi me ajudar a levantar. Eu sei que é a pequena agora, assim mesmo meus olhos observam o nada e sem dizer coisa alguma, procuro qualquer vestígio do que pode ser a presença da minha mãe. Só volto mesmo ao normal quando Rukia me abraça com toda a força de seus pequeninos braços.

– Idiota! O que pensa que esta fazendo? – pergunta enquanto seu rosto parece se afundar por entre meu tórax. Seu abafado choro e soluço finalmente me tiram do transe.

- Desculpe... – respondo ao corresponder ao abraço. – Desculpe Rukia!

Toushiro e Renji nada dizem. Eles entendem que apenas Rukia me faz bem. Depois de minha mãe, a Kuchiki é a única pessoa que consegue dissipar meus tormentos e afastar qualquer vestígio de chuva em meu interior. Ela é o meu refugio... A pessoa que meu dá forças para proteger todos meus companheiros... Aquela que estará sempre ali, afugentando qualquer medo e pavor que eu venha a sentir!

2 comentários:

  1. Sammy, me desculpe por fugir do assunto do seu post, realmente me desculpe. Depois vou tirar um tempo e ler os capítulos anteriores que por algum motivo não li. Mas vi quem você está lendo o Código da vincci, estou louco para ler este livro, depois faça um resenha, vou começar a ler ainda esta semana um livro do mesmo autor chamado "O Simbolo perdido!"... Parece emocionante!

    I Love so much SpongerBob.
    Acesso Permitido.
    Inimigos.
    Projeto Discipulando.

    ResponderExcluir
  2. aii que tenso heim '-'to adorando os seus textos, histórias perfeitas

    http://garotoonerd.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!