Entrevista com a autora Luciane Z - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Entrevista com a autora Luciane Z

Entrevista com a autora Luciane Z

25/10/2013

Adoro entrevista com autores! E hoje vamos conhecer sobre a autora Luciane Z, do livro Fascínio Egípcio, publicado pela Modo Editora. Qualquer autor que queira ser entrevista pelo blog, basta mandar sua solicitação por contato. 


Luciane Vieira Z nasceu em São Paulo. Sempre gostou de ler quando estava no terceiro ano da escola houve um concurso de redação na escola, a professora ensinou como era a estrutura dos versos e poemas em seguida mandou os alunos criarem, Luciane tirou o segundo lugar da escola com o poema o jardim da flor e o jardim do amor a partir desta iniciativa da escola passou também a escrever poemas e versos. Em 1991 iniciou a faculdade de direito, trabalhou na área pública até 2000, quando saiu pensou em realizar algum trabalho provisório em que lhe permitisse conciliar sua vontade de escrever, encontrou na pesquisa de mercado os meios que ansiava. O que ela não supunha era que a pesquisa lhe proporcionasse conhecer a história de vida de milhares de pessoas, conversando todos os dias com pessoas de cultos, classes sociais e dificuldades totalmente antagônicas do Oiapoque ao Chuí a riqueza de informações trazidas pelos relatos das pessoas fazia sua mente fervilhar de ideias, mas colocar no papel um romance tornou-se uma dificuldade, que foi vencida anos mais tarde quando leu uma história egípcia, fascinada com o Antigo Egito leu vários livros a respeito fez uma pesquisa minuciosa o que deu origem ao livro. - Fonte.


Entrevista com Luciane Z


Da Imaginação a Escrita: Primeiramente, quero agradecer a você Luciane por conceder essa entrevista. Para começar, falei um pouco sobre você.

Luciane:  Eu que agradeço a oportunidade. Em primeiro lugar prefiro ouvir as pessoas a falar de mim (risos). Trabalho com pesquisa de mercado o que me permite falar com pessoas de todo Brasil. Adoro ouvir as pessoas é muito interessante sentir as diversidades existentes, em uma ligação falo com alguém do Acre em outra com alguém que trabalha na Paulista. Em um dia falo com proprietários de carros importados, com poucas unidades no Brasil, no outro dia estou perguntando como foi o atendimento no serviço público de saúde, aja jogo de cintura (risos).  Sou uma pessoa muito romântica, amo ler e me apaixonei pela escrita.

Da Imaginação a Escrita: Conte-nos um pouco sobre seu livro Fascínio Egípcio.

Luciane: Fascínio Egípcio conta a história de Amor entre o filho do Faraó e Naia, uma moça que foi criada em meio a muitas dificuldades. Fala primeiramente do fascínio que Zeq sente por ela, das loucuras que ele faz para arrebatá-la para si e dos encontros e desencontros dos dois protagonistas. A história segue mostrando todas as consequências das atitudes de Zeq. Rui, um dos antagonistas, não se conforma em ter perdido o direito ao trono para Zeq e fica ainda mais inconformado quando conhece Naia. Ele fica obsecado pela jovem e fará de tudo para tomar de Zeq o trono e a princesa. É uma história cheia de emoção, romântica e quente.

Da Imaginação a Escrita: Como foi o processo de criação de seu livro?

Luciane: A história me surgia em fleches dos momentos mais importantes, comecei a escrever o no papel. Já no computador passei a escrever o que ia surgindo totalmente fora de ordem. Foi só então que coloquei nome nos capítulos e os trechos dentro dos capítulos, a história parecia uma colcha de retalhos, mas foi super legal, pois escrevi na emoção do momento, na hora que a ideia surgia. Achei que nunca iria dar certo juntar tudo, mas a história foi se encaixando. Eu percebi a necessidade de me aprofundar na história do Antigo Egito. Então comecei a pesquisar sobre os deuses, as cidades da época, os hábitos e costumes, mas eu queria mais eu queria saber como era a vida de pessoas comuns. Eu precisava disto para compor a personalidade da protagonista, Naia. E não foi algo fácil de encontrar a maior parte das informações é sobre a vida dos Faraós.

Da Imaginação a Escrita: Você teve alguma dificuldade para publicar seus livros?

Luciane: Eu não pensava em publicar foi algo que foi acontecendo. As pessoas que tinham lido me incentivavam a mandar para esta ou aquela editora que estava aceitando originais. Eu não acreditava que iria acontecer até que alguns editores começaram a entrar em contato comigo empolgados com a história, mas eu não conhecia nada do mercado e percebi que isto também é um empecilho.  

Da Imaginação a Escrita: Você tem alguma fonte de inspiração? Se sim, qual é?

Luciane: Os próprios livros. Acho impressionante o prazer que eu livro proporciona, é uma pena que as pessoas não tenham este costume. A cada livro que leio me sinto mais inspirada a escrever a retribuir o prazer que senti.

Da Imaginação a Escrita: Quando você decidiu que era a hora de escrever um livro?

Luciane:  Há alguns anos eu havia tentado escrever outra história, mas eu não passei da terceira página. Eu não pensei mais em escrever, mas um dia voltando do trabalho eu fraturei o pé. Em dez dias em casa eu já havia lido tudo que tinha em casa e não suportava mais a televisão, meu PC estava na manutenção então comecei a escrever em folhas de sulfite. A história foi crescendo e percebi que tinha superado a dificuldade de escrever. Quando o PC chegou digitei tudo e, para minha surpresa, consegui dar continuidade no computador.

Da Imaginação a Escrita: Como está sendo para você a repercussão de Fascínio Egípcio?

Luciane: Empolgante. As pessoas entram em contato comigo pelas redes sociais, me dizem que trecho estão lendo, querem compartilhar comigo suas expectativas, dizem que  temem pelo final, que a história é fascinante, que não conseguem parar de ler, algumas até ficam com raiva em alguns trechos e me ameaçam se no final não acabar tudo bem.(risos).    

Da Imaginação a Escrita: Você tem alguma outra história para um novo livro? Se sim, poderia contar um pouco sobre ela?

Luciane: Tenho dois novos livros em construção, os dois são polêmicos e bem diferentes um do outro.
O primeiro é uma história adolescente, com todos os seus problemas típicos como, por exemplo, bulling, drogas, escola, amizades, rachas, relacionamentos, amor sexo e preconceito. É uma história de uma garota que viveu sempre cercada pelos cuidados obsessivos da mãe, o que a afastou de ter relacionamento com pessoas de sua idade e de um rapaz que sai da Fundação Casa após ter cumprido três anos de pena. Eles são opostos, mas no primeiro encontro ficam atraídos um pelo outro.
A segunda história se passa no Himalaia é sobre uma garota que volta a terra natal de seus pais para se casar, compromisso que foi acordado cinco anos antes dela nascer.
Fora estes dois, tenho vários projetos em que eu defini apenas os nomes dos personagens e o rumo da história, mas ainda não comecei a escrever. Dois deles acabaram se tornando contos, mas ainda penso em dar continuidade a história e transformá-los em livros.


Da Imaginação a Escrita: Quais são seus autores favoritos? Tem algum livro, que você considera especial e que já leu?

Luciane: Meus autores favoritos são Érico Veríssimo, Fabiana Cardoso, Roxane Norris e Christian Jacq. Todos os livros são especiais, sempre trazem algum conhecimento ou algum ensinamento, mas acho O Morro dos Ventos Uivantes insuperável.   

Da Imaginação a Escrita: Além de Fascínio Egípcio, você já escreveu algum outro livro? Se sim, pode nos contar um pouco sobre ele?

Luciane: Escrevi dois contos, um deles sai nos próximos meses pela Editora Aped. Coletânea de Contos Eróticos - Divino e Profano é o nome do meu conto. Acho que ele vai agradar quem gosta de erótico, mas também quem gosta de aventura e sobrenatural.    

Da Imaginação a Escrita: Qual a sua opinião a respeito dos blogs literários? Acha que eles são um incentivo à literatura?

Luciane: Gosto dos blogs, do carinho que recebo deles. O que me impressionou bastante foi a faixa etária dos blogueiros. A maioria é bem jovem e isto repercute de forma positiva influenciando as pessoas desta faixa etária a se interessarem por literatura. 

Da Imaginação a Escrita: Para aqueles que desejam seguir o sonho de serem uns escritores, quais são suas dicas?

Luciane:  Não desistir jamais de seu sonho, procure se informar sobre o mercado e analise, com calma, qual é a melhor maneira de chegar a seus objetivos.   

Da Imaginação a Escrita:  A respeito da literatura nacional, você acha que a aceitação do público em relação a livros nacionais é maior ou menor hoje em dia?

Luciane: Um pouquinho maior, mas o autor nacional necessita de muita divulgação, as pessoas ainda tem preconceito. Então eu peço aos blogueiros: − Quando vocês encontrarem um livro nacional que vocês gostem, divulguem com orgulho, enfatizando que o livro é de um autor nacional.     

Da Imaginação a Escrita: A respeito dos livros digitais, o e-books, qual a sua opinião?

Luciane: Não gosto de ler e-books, ou pelo menos ainda não me acostumei. Quando se fala em e-books meu coração fica apertado, tenho medo que no futuro não existam livros físicos.

Da Imaginação a Escrita: Para finalizar, quero agradecer sua participação nessa entrevista, foi um prazer entrevista-la! Você tem alguma mensagem final aos leitores?                              

Luciane: O prazer foi todo meu, falar sobre literatura é gratificante. “Nos livros você pode conhecer o mundo, viajar no tempo, superar seus medos, entrar em contato com o sobrenatural, descobrir um grande mistério, liberar seu lado sexy, viver um grande amor... As possibilidades são infinitas, então o que você está esperando?”



***

Esta postagem conta pontos para o Top Comentarista Outubro 2013, se você esta participando, não deixe de comentar para garantir seus pontos e levar o livro Uma Prova de Amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!