Resenha: Zon, O Rei do Nada - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Resenha: Zon, O Rei do Nada

Resenha: Zon, O Rei do Nada

02/04/2014


Título: Zon 
Subtítulo: O rei do nada
Edição: 1
ISBN: 9788567191003
Autor: Andrei Simões
Ilustradora: Lupe Vasconcelos
Editora: Empíreo
Ano: 2013
Avaliação: 
Páginas: 240
Sinopse: Como seria reinar sobre absolutamente nada? Em Zon – O rei do nada, os leitores entrarão em contato com uma narrativa profunda e intensa, na qual conhecerão um personagem que precisa invadir mentes e consciências para continuar vivendo. E ele só ficará totalmente satisfeito se, no fim, destruir as crenças daqueles que domina. Dessa forma, abre espaço para que ele mesmo seja o substituto e se torne a grande divindade do universo. Porém, quando descobre que outras forças também trabalham em sua mente, Zon se vê preso num paradoxo, e já não tem certeza de que conseguirá dominar a realidade com tanta rapidez. Ao mesmo tempo em que constrói novas crenças, destrói sua própria existência. Quem estaria por trás desse controle? Conseguirá Zon permanecer vivo e são? Zon – O rei do nada é uma aventura fantástica onde verdade e mentira, realidade e ficção se misturam, fazendo com que até o mais calmo leitor estremeça diante das profundas descobertas. 
Zon achava que vivia, até que ao olhar-se no espelho, seu reflexo lhe disse que era uma criação, feito por Aquele que escreve e que somente vive, por Aquele que lê. Aturdido e disposto a encontrar sua existência, o sentido para sua vida, Zon parte de mente em mente, ele agora é algo estéreo, que apenas vive para ser um parasita. 

Em suas viagens, Zon conhece a Morte, a Existência, Deus, anjos e demônios, enfrenta dragões e sua própria morte. Zon é tudo e ao mesmo tempo nada. O tempo não existe e a verdade é cruel. Quando finalmente Zon encontra seu criador, tudo é compreendido. 

Uma leitura complexa, que é preciso entender entre as entre linhas. Há muito que refletir sobre Zon, O Rei do Nada, que traz em cada capítulo um paradoxo aterrorizante. Esta é a primeira vez que leio um livro com altas questões sobre a existência e não existência. Acompanhar a jornada de Zon é descobrir o inexplicável, junto com esse herói tão peculiar. Ao seu lado conhecemos a dor, a vida e a morte, o que é real e o que não é. 

Posso dizer que Zon, não é uma leitura muito fácil, mas sua complexidade é tão estimulante, que rapidamente as palavras de Andrei penetram em nossa mente, e quanto vemos estamos tão ligados a Zon, que queremos saber cada passo de sua jornada. 

As ilustrações que compõe o livro, foram feitas por Lupe Vasconcelos e trouxeram uma sensação magnífica, elas se encaixam tão perfeitamente com o enredo, que me envolvi ainda mais nas aventuras de Zon. Cada ilustração reflete um ciclo do livro e foram tão bem feitas, que junto com a obra, tornam ambas umas peças de arte. 

Zon é uma leitura totalmente diferente de tudo que eu já li, é impactante e ao mesmo tempo assustadoramente bela. A revisão e diagramação da editora Empíreo estão maravilhosas. Eu não encontrei um único erro. As folhas do livro, são amareladas e tem possuem uma ótima textura, além de serem grossinhas, eu particularmente gostei muito. Zon – O Rei do nada, ainda conta com poemas, narrativa em primeira e terceira pessoa e 33 capítulos. 

***

Esta postagem conta pontos para o Top Comentarista de Abril 2014. Se você esta participando, não deixe de comentar para garantir seus pontos e concorrer ao livro O Pessegueiro ou Na companhia das Estrelas.

Sammysam Rosa

Escrito por:

Sammy. Casada e apaixonada por livros. Gosto de literatura policial, suspense e terror. Típica pisciana, sonhadora e curiosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!