Entrevista com o autor Jader Pires

03/05/2014


O autor Jader Pires, concedeu um entrevista exclusiva para o Diae, está muito legal e espero que todos gostem! Autor do livro Ela prefere as Uvas verdes, laçamento da editora Empíreo e que em breve será resenhado do blog.


Jader Pires é jornalista. Largou a publicidade, a experiência de sete anos em um banco e foi escrever. Nunca precisou usar óculos, começou a ler livros depois dos vinte e teve de correr atrás do tempo perdido. Já escreveu na Revista da Cultura e hoje edita e escreve no site PapodeHomem.










Entrevista com Jader Pires


Da Imaginação à Escrita: Conte-nos um pouco sobre seu livro Ela prefere as uvas verdes.

Jader: Bom, trata-se de um livro que foi delicioso de escrever, que possui treze contos inéditos que falam de encontros e perdas. Temos, nesse livro, situações do cotidiano sob uma ótica peculiar, o que deixa tudo muito mais interessante.


Da Imaginação à Escrita: Como foi o processo de criação de seu livro?

Jader: Como qualquer criação minha de textos, a coisa toda saiu de modo muito orgânico. Eu possuia há tempos várias histórias guardadas na cabeça - notícias que vi no jornal e achava que, com a pitada certa de invenção, daria uma bela ficção, "causos" que alguém havia me contado e que, se eu levasse ao lugar certo, daria um conto gostoso de ler.
De início, tudo foi saindo aleatoriamente, mas, conforme os contos foram saindo, fui percebendo a espinha dorsal de perdas e epifaniazinhas cotidianas que permeavam todas as histórias. Daí a coisa foi ligando uma história a outra e, hoje, com o livro pronto, é nítida a linha narrativa que percorre da primeira a última página.


Da Imaginação à Escrita: Você teve alguma dificuldade para publicar seus livros?

Jader: Na verdade não. Eu comecei a escrever o livro para um prêmio de literatura e, já conhecendo o meu editor (o Feilipe Larêdo, a cabeça por trás da Empíreo), o convidei para editar minhas histórias, me dar melhores direcionamentos. Com isso, a obra foi automaticamente caindo no gosto dele e a ideia de publicar pela Empíreo também foi me parecendo bem convidativo. Sem stress ou traumas, a parceria foi selada.


Da Imaginação à Escrita: Você tem alguma fonte de inspiração? Se sim, qual é?

Jader: O dia a dia de todo mundo que passa pelos meus olhos. Como inspiração, tenho total confiança no cotidiano. Já escrevi sobre um casal de velhos que mora no quarteirão do meu trabalho, sobre uma matéria que vi no Fantástico, sobre uma desventura que aconteceu com a vizinha da minha mãe, lendo um livro do Chico Buarque. 
Quanto mais casual, mais potência eu vejo em transformar em uma história bela e apetitosa. É essa a minha pegada.


Da Imaginação à Escrita: Quando você decidiu que era a hora de escrever um livro?

Jader: Eu já escrevo contos há um tempo, desde um blog pessoal até publicações no PapodeHomem, site em que, hoje, sou editor. No ano passado, eu ia participar de um concurso de contos e tinha que escrever três deles. Quando finalizei o primeiro, gostei tanto do resultado que decidi fazer mais. Não sei dizer ao certo o porque, mas percebi uma evolução grande na minha escrita.
Ora, com três contos eu não faria nada. Com 13, daria samba. E foi o que fiz.


Da Imaginação à Escrita: Poderia nos explicar a escolha do título Ela prefere as uvas verdes?

Jader: Foi uma sugestão do meu editor. Estávamos trabalhando em nomes e queríamos um título grande. Eu peguei uma dezena de nomes e nenhum me agradava de fato. daí o Larêdo apareceu com alguns outros e, no meio, tinha uma frase do livro que falava sobre as uvas verdes. Daí trabalhamos uma coisa ou outra e chegamos nesse resultado: "Ela prefere as uvas verdes e outras histórias de encontros e perdas". Depois, ainda foi ajustado para como está hoje (sem o "e outras"). 
É uma frase boa, gostosa de ler e de falar. O verbo "preferir" é muito bom e dá essa dualidade de se fazer o certo e o errado ("vou fazer assim porque ela prefere as uvas verdes" ou "que pena, comprei isso para ela, mas ela prefere as uvas verdes"). Pode-se imaginar um sem número de conotações para essa frase, dependendo do humor. Acho isso fantástico.


Da Imaginação à Escrita: Você tem alguma outra história para um novo livro? Se sim, poderia contar um pouco sobre ela?

Jader: Tenho duas histórias que pretendo trabalhar. Ainda esse ano quero escrever meu primeiro romance, que envolve uma comunidade meio distópica, ou uma realidade exagerada. O desenrolar ainda está sendo maturado em minha cabeça e vai ser um belo desafio, pois vai exigir ainda mais da minha escrita. 
O outro romance que quero trabalhar logo depois é algo mais bonito, mais perto ro realismo fantástico do Garcia Márquez, mesmo ainda calcado no cotidiano. Envolve botar em uma ficção bem poética as histórias do meu bisavô. Tem cada causo de melar o coração e quero muito botar isso no papel.


Da Imaginação à Escrita: Quais são seus autores favoritos? Tem algum livro, que você considera especial e que já leu?

Jader: São tantos. Acho que, pra sintetizar algo mais próximo desse livro, acho que misturo autores que escrevem sobre grandes derrotas (ou grandes derrotados) como John Fante, Philip Roth, Raduan Nassar, Dalton Treisan com autores que tem uma escrita pra lá de sublime (como o próprio Nassar que coloca cada palavrinha com tanto carinho em suas linhas que é de dar uma tremenda inveja) como o garcia Márquez, o Mia Couto, o Guimarães Rosa, Jorge Luis Borges. 
Todos os livros desses caras e muitos outros são especiais para mim. Não saberia nem por onde começar para escolher um ou alguns.


Da Imaginação à Escrita: Além de Ela prefere as uvas verdes, você já escreveu algum outro livro? Se sim, pode nos contar um pouco sobre ele?

Jader: Não. Esse foi meu primeiro.


Da Imaginação à Escrita: Qual a sua opinião a respeito dos blogs literários? Acha que eles são um incentivo à literatura?

Jader: Certamente. É uma troca mais íntima com o leitor. Há a crítica especializada (ou tradicional) e há essas comunidades de pessoas reais trocando experiências reais. E isso é demais de foda. 


Da Imaginação à Escrita: Para aqueles que desejam seguir o sonho de serem escritores, quais são suas dicas?

Jader: Poxa, parece bobo, mas minhas dicas são transpiração e inspiração. Escrever bastante e ler bastante. O talento só vai amplificar a coisa, mas o repertório é fundamental e só ele pode formar muitos escritores bem competentes. 
Ler é muito necessário para ter esse repertório e escrever bastante para pegar ritmo, consistência e, mais que tudo, estilo. Saber pegar o que tem de melhor em cada coisa que você lê e botar no papel como sendo algo genuinamente seu. Tem que suar e sugar muito.


Da Imaginação à Escrita: A respeito da literatura nacional, você acha que a aceitação do público em relação a livros nacionais é maior ou menor hoje em dia?

Jader: Olha, eu acabei de fazer um curso com o Ruy Castro (biógrafo do Nelson Rodrigues, Garrincha e Carmen Miranda) e ele disse que não se vende, hoje, como se vendia na década de 90, por exemplo. Vendo as listas dos mais vendidos, também vemos bem menos brasileiros que antes, mais ainda na ficcão. Mas dá pra ver que tem muita gente consumindo literatura brasileira. Melhor exemplo disso é a literatura fantástica que está em sua melhor fase no país com muita gente boa se dedicando e vendendo muito bem, muitas vezes por conta própria. E temos muitos escritores ótimos que vendem bem e tem nomes reconhecidos e ganham ótimos prêmios. O Daniel Galera, o Cristovão Tezza, o Antônio Prata, o Joca Terron.
A aceitação é ótima, mas infelizmente há uma discrepância grande entre a predileção pelo popular (e, na maioria das vezes, gringo) e as diversas opções de qualidade da literatura nacional.


Da Imaginação à Escrita: A respeito dos livros digitais, o e-books, qual a sua opinião?

Jader: Que eles cresçam ainda mais e que façam com que mais pessoas leiam. Não tenho nada contra novas tecnologias. Só quero ver mais gente lendo. De verdade.


Da Imaginação à Escrita: Para finalizar, quero agradecer sua participação nessa entrevista, foi um prazer entrevista-la! Você tem alguma mensagem final aos leitores?        

Jader: Comprem meu livro, leia e me digam o que acharam =]


***

Deixem nos comentários o que vocês acharam da entrevista! Sua opinião é muito importante. Esta postagem conta pontos para o Top Comentarista de Maio 2014. Se você esta participando, não deixe de comentar para garantir seus pontos e concorrer aos livros, A Casa do Céu ou Um conto do Destino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!