Resenha: Desafio

02/11/2014

Título: Desafio
Subtítulo: Trilogia Desafio - Livro 01
Edição: 1
ISBN: 9788581634395
Autores: C. J. Redwine
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014
Páginas: 368
Skoob
Avaliação: 
Onde Comprar: Buscapé (Compare Preços) / Amazon
Sinopse: No interior das muralhas de Baalboden, à sombra do brutal Comandante da cidade, Rachel Adams guarda um segredo. Enquanto as outras garotas fazem vestidos e obedecem a seus Protetores, Rachel é capaz de sobreviver nas florestas e de manejar uma espada com destreza. Quando seu pai, Jared, é declarado morto em uma missão, o Comandante designa para Rachel um novo Protetor: Logan, o aprendiz de seu pai, o mesmo rapaz a quem Rachel declarou o seu amor há dois anos, e o mesmo que a rejeitou. Com nada além da forte convicção de que seu pai está vivo, Rachel decide fugir e encontrá-lo por conta própria. Mas uma traição contra o Comandante tem um preço alto, e o destino que a aguarda nas Terras Ermas pode destruí-la.
Eu adoro quando uma história me surpreende. Quando eu tenho expectativas mas, não necessariamente seguindo-as, o enredo me prende, faz-me passar por tantas emoções quanto os próprios personagens em cena, com surpresas e reviravoltas realmente impactantes e, por fim, conclui a leitura me deixando com uma sensação gostosa de satisfação e visível ansiedade para o próximo, no caso de séries e trilogias. E, bem, Desafio é um desses felizes casos, e eu estou realmente empolgada para lhes dizer o porquê.

Ao longo do livro de C. J. Redwine, iremos acompanhar a jornada de Rachel Adams, uma adolescente de 16 anos que vive em meio a mundo pós-apocalíptico, então residente da cidade-estado Baalboden. Sua mãe falecera quando ela ainda era bebê, de forma que ela não lembra-se dela, e desde então foi educada inteiramente por seu pai, Jared, a quem ama incondicionalmente. Ao contrário das demais garotas da cidade, graças a seu pai, Rachel aprendeu a lutar desde pequena, sendo, agora, mais dona de si e independente do que todas as outras meninas que, diferentes dela, esperam ansiosamente pelo dia da Toma. 

Mas quando seu pai é dado como morto após dois meses desaparecido nas perigosas Terras Ermas durante uma missão, ela passa a questionar tudo o que a cerca, começando um plano pessoal para provar que Jared ainda está vivo lá fora. Antes que ela faça qualquer coisa, porém, um novo Protetor será designado para ela, e contrariando suas expectativas de que seja Oliver, que ela considera como avô, Logan McEntire assume sua guarda. E isso não seria necessariamente ruim se, no entanto, Logan não fosse exatamente o aprendiz de seu pai, e aquele a quem ela declarou seu amor há dois anos mas que fora rejeitada. Por entre uma relação inicialmente conturbada por mágoas do passado e muitos perigos, os dois irão deixar os conflitos de lado para trazer de volta o pai da garota, antes que o temido Comandante Chase o faça.

À primeira vista, Desafio nos dá a impressão de ser, unicamente, uma grande e perigosa aventura, com cenas dignas de um bom filme de ação e muitas lutas - sejam as externas bem como as batalhas internas de cada personagem -, e ele realmente o é. No entanto, ele vai além disso. C. J. Redwine foi feliz ao explorar todos os extremos de seus personagens, apresentando e desenvolvendo-os com uma gama excepcional de emoção, adrenalina e lutas pessoais. Mas acho que, em partes, ela também exagerou um pouco na garna negativa da personalidade de cada um, que, em várias cenas, acabaram por sobressair-se de seus traços positivos. O Comandante Chase, na verdade, é o personagem mais negativo, frio, vazio e calculista que eu já encontrei em minhas leituras até agora, mas, nesse caso, isso é totalmente válido e plausível justamente por ele ser o vilão. E um grande e perigoso vilão, diga-se de passagem, porque o que ele faz nesse livro não é brincadeira, então, de antemão, já saibam que não vale subestimá-lo, porque ele também costuma ser bem imprevisível. Estou bem curiosa - e, ok, meio receosa também - para descobrir quais serão seus próximos passos nos volumes seguintes da trilogia.

Com respeito aos outros personagens, porém, como já falei, achei que a carga negativa poderia ter sido melhor trabalhada, para não ficar em excesso. Em Rachel, principalmente. Começamos o enredo com uma personagem que, durante boa parte da leitura, eu não conseguia imaginar como adolescente, mas como uma criança. Sua intenção é das melhores ao querer trazer o pai de volta, mas é tão impulsiva e teimosa que, ao invés de ajudar, só atrapalhava. Após um determinado ponto, ela até começa a amadurecer um pouco e ter mais controle sob seus planos, e nesses momentos eu pude enxergar o quão habilidosa e independente ela consegue ser, fugindo totalmente do padrão de mocinha em apuros, possuindo técnicas de combate realmente excepcionais, mas após determinado s acontecimentos sofridos por ela em dois momentos - que não vou citar porque vai ser um spoiler - ela passa a ficar meio  obsessiva com o plano de vingar-se do Comandante Chase, e nesses momentos, eu definitivamente não a enxerguei como uma adolescente nem muito menos uma criança, como anteriormente. Estava mais para uma serial-killer. Ok, talvez eu tenha exagerado, mas ela deixou-se abalar pelo sofrimento e o ódio de tal forma que, mais um pouco e ela teria congelado, de tão fria que havia se tornado.

Mas, certo, brincadeiras à parte, eu realmente me incomodei com essa frieza toda. Felizmente, temos o Logan McEntire para balançar e acalentar um pouco o coração de Rachel. Deixando de lado os motivos de ele tornar-se um crush literário em potencial, eu realmente me surpreendi com ele, e de uma forma muito positiva. Com um passado de sofrimento após perder a mãe, ainda pequeno, nas mãos do Comandante, ele é um rapaz muito responsável e só tem a agradecer a Jared e Oliver por terem-no acolhido quando pequeno, sendo praticamente parte da família e, por isso, compartilhando do anseio e necessidade de Rachel em resgatar Jared nas Terras Ermas. E sabem isso de subestimar alguém? Pois é, não subestimem ele também. Conhecido como inventor, Logan está acostumado a passar horas e horas em sua pequena cabana, construindo invenções que, aos olhos dos demais podem ser apenas tralhas, mas que, unidas em diversas combinações e situações, podem salvar sua vida. Sua inteligência meio que não tem limites, e seus planos são muito estratégicos; nada de planos A e B. Logan tem o alfabeto inteiro em constante planejamento!

No fim das contas, apesar de certas cargas negativas nos personagens, Desafio foi uma leitura muito satisfatória e inteligente. A autora foi certeira ao explorar os cenários e situações de uma forma tão ampla, ressaltando ainda mais a impressão de que estivéssemos vendo um filme, de tão bem construídas as cenas. Novos personagens adentram aos poucos ao enredo, e também cumprem com seus papéis com maestria, deixando um gostinho de curiosidade por ver do que eles serão capazes nos livros seguintes da trilogia. Faço apenas uma ressalva com relação à narrativa de Redwine; o começo é bem lento, mas consegue-se passar dele devido aos capítulos iniciais serem curtos -, mas à medida que vamos acompanhando o desenvolvimento da história, a partir dos pontos de vista de Rachel e Logan, vamos nos acostumando e, apesar das pausas durante a leitura, queremos continuar a ler o livro e descobrir onde tudo vai dar. É uma leitura que realmente vale a pena e que certamente cumpre com sua proposta, sendo recheada de muita ação e adrenalina, com cenas de luta e estratégias muito bem pensadas. Eu certamente irei acompanhar os demais livros da trilogia, porque seu potencial é claro, e só tem a ficar ainda melhor.

***

Esta postagem conta pontos para o Top Comentarista de Novembro 2014. Se você esta participando, não deixe de comentar para garantir seus pontos e concorrer ao livro, O Homem Perfeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!