Noticiário Literário: Editora Belas-Letras (Novidades e Entrevistas)

29/06/2015


Entrevista exclusiva 
Ele nunca sai de estilo!

Dominic Evans é feito de dom e de tinta. Extravagante, bem humorado e alto astral, o cara nunca perde o estilo. Dom é ilustrador e vive em Manchester (Inglaterra), onde passa os dias criando estampas descoladas para o mundo da moda e ilustrações para histórias em quadrinhos. Metrossexual assumido, lançou em 2013 o seu primeiro livro. Map my Heart – que acaba de desembarcar no Brasil sob o título de Desvende meu Coração.
Conversamos com Dom sobre amores, desamores e todas as outras coisas que envolvem os "relaciotormentos".

Belas-Letras: Quando foi que você pensou: "Tenho que começar a escrever Desvende meu coração!"? E por quê?
Dominic: Eu estava fazendo meu Mestrado na Universidade de Brighton e nós tínhamos que fazer um livro sequencial. Eu sempre fui muito inspirado no que diz respeito a relacionamentos e namoros, sendo assim, eu quis encontrar uma maneira de tornar isso interativo para as pessoas. E foi aí que nasceu Desvende... Muitas citações e histórias no livro são inspiradas por experiências de amigos com separações e aventuras amorosas. Algumas são até mesmo minhas...

BL: Por que você acha que muitos jovens se identificam com o livro?
Dom: Originalmente, ele foi dirigido para adultos, eu juro! Mas eu tive tanto retorno a partir dos adolescentes aqui no Reino Unido (e também nos Estados Unidos)... Acredito que os jovens se identificam pois é nessa fase que você começa a desenvolver sentimentos pelas pessoas e começa a sair e lidar com rejeições.

O Dom é superfã da estrela Taylor Swift. Quer descobrir quais outros cantores, livros e hobbies são os seus favoritos? Clique!

BL: Você já teve alguma experiência negativa com relacionamentos? Nós podemos encontrá-la em 'Desvende'?
Dom: Sim. Assim como todo mundo, eu tive MUITAS experiências com separações e desentendimentos. Alguns relacionamentos acabam bem, porém alguns realmente acabam muito mal. Enquanto escrevia e ilustrava o livro, descobri que o processo me ajudava a "seguir em frente" com alguns problemas do passado que tive com ex-namorados. Mas eu prefiro deixar que os leitores descubram quais partes são autobiográficas...

BL: Por que as pessoas se apaixonam constantemente? Você teria algum conselho para os jovens sobre... o amor?
Dom: Não tenho ideia! Acredito que o amor seja diferente de pessoa para pessoa, de acordo com o que elas desejam para as suas vidas. Meu conselho para os jovens seria para não apressarem nada e apenas aproveitar para descobrir quem VOCÊ é antes de decidir começar qualquer tipo de romance. Assim que você descobrir quão incrível você é, você se tornará verdadeiramente incontrolável!


BL: Qual é a sua parte preferida no livro? Alguma página especial?
Dom: A parte "Que tipos de encontros você já teve?" é uma das minhas favoritas. Principalmente porque é baseada em situações particulares. Além dessa, a citação "Rejeição é a proteção de Deus" é um dito que minha mãe sempre falou para mim. Ela disse isso depois de um término em particular e tem sido meu mantra desde então. Não tive como não acrescentar!


E não para por aí...


No próximo ano, a Belas-Letras lança no Brasil o segundo livro de Dominic Evans. Seguindo os passos de seu antecessor, Desvende meu estilo também é repleto de ilustrações com muito bom humor. Desta vez, as páginas cor de rosa adentram o mundo da moda com ainda mais interação dedicada ao público leitor.

Dom nos deu uma prévia sobre o livro, ainda sem mês de lançamento definido.

BL: O que podemos esperar de Desvende meu estilo?
Dom: Desvende meu estilo é diversão pura! O livro foi recém-lançado no Reino Unido e tem o mesmo formato de Desvende meu coração. No entanto, é baseado no estilo de vestir feminino e tendências. Fala sobre positividade corporal e sobre amar você por ser quem você é. Também se difere do primeiro (livro) no quesito interação, pois Desvende meu estilo te desafiará a postar no Instagram ou no Twitter não só as suas páginas favoritas, mas também os seus looks e selfies!

BL: Estamos ansiosos, mas... E depois de Desvende meu estilo, você já tem algum plano?
Dom: Algumas coisas na cabeça, mas não estou autorizado a contar ainda! Talvez eu devesse ir ao Brasil para uma turnê literária?! (risos)

***


Uma noite de muitos corações

Belo Horizonte vestiu-se de amor na última sexta-feira, 5 de junho. Por lá, rolou o lançamento de Desvende meu coração com o ilustrador Lucas Aguiar, responsável pela adaptação visual da obra no Brasil. O evento contou com familiares, amigos, curiosos e novos leitores que se interessarem pelo livro interativo.

***


Entrevista exclusiva 
Pedro Guerra: o porta-voz dos corações quebrados

Quem nunca sofreu de uma desilusão amorosa que atire a primeira pedra. Para Pedro Guerra, 23 anos, os corações quebrados são inspirações livres para novas histórias e recomeços. E é exatamente sobre isso que Precisava de Você, designado como um (des)romance, apresenta ao público.
Conversamos com Pedro que, assim como todos os jovens, acredita que o amor é o fio condutor de qualquer relação interpessoal.

Belas-Letras: Nós queremos saber desde já: o que te motivou a escrever Precisava de Você? Teve algum motivo especial?
Pedro Guerra: Eu diria que experiências próprias são um bom começo! Posso afirmar que sou assim como a Lola: um romântico fervoroso. Sendo assim, acredito que o mundo é um lugar bem melhor se existe amor envolvido. Acontece que eu descobri que escrever sobre o (des)amor se torna inevitável quando você é jovem, uma vez que tudo pode acontecer dentro de um relacionamento. Os naufrágios, as quebras, as desilusões... Tudo é muito inspirador. Tanto para um aprendizado, quanto para uma história. E foi aí que surgiu Lola Tavares, uma espécie de "porta-voz dos corações quebrados" dentro de mim que quis escrever por todos aqueles que um dia já se deram mal com o amor.

BL: De onde surgiu a ideia de fazer um livro que possui música-tema, que vai além das páginas? E qual o objetivo da música?
Pedro: Foi algo bastante natural. Na verdade eu comecei meu sonho de ser escritor com 12 anos compondo músicas. Então, enquanto escrevia Precisava de Você, compus esta música chamada Metáfora e julguei que ela tinha muito a ver com a história de Lola Tavares. Decidi emprestar a sua letra para a minha história e, quando ela já estava dentro do livro, quis trazê-la para fora novamente por acreditar que o leitor precisava ouvi-lá de algum modo. Foi um desafio, pois não é tão fácil assim gravar uma canção em estúdio. Mas acredito que ela seja fundamental para a sinestesia que a experiência proporciona.


BL: Por que você acredita que a história tem a ver com o Dia dos Namorados, uma vez que podemos classificar o livro como um (des)romance?
Pedro: Quando a gente é jovem, sempre achamos o Dia dos Namorados só mais um dia qualquer por um único motivo: não namoramos! E é aí que entramos no ponto de que Precisava de Você fala sobre relacionamentos – não necessariamente apenas os bons relacionamentos. Afinal, todo mundo gosta ou vai gostar de alguém que não gosta da gente do mesmo modo. E eu quis provar no livro que isso é tão natural e até mesmo bonito, a ponto de motivar a recuperar-se para uma nova tentativa, para uma nova história. Todos temos vários finais ao longo da vida, assim como diversos começos.

BL: Planos para um próximo livro?
Pedro: Estou sempre em movimento. Ideias para próximos livros eu tenho várias, no entanto, é preciso selecionar algo que eu realmente queira entregar para os leitores. Como objetivo, tenho a filosofia de sempre surgir com algo novo. Vamos ver no que dará desta vez...




***


Todo mundo precisa de alguém

A noite de lançamento de Precisava de Você, em Caxias do Sul (RS), reuniu cerca de 400 pessoas. Com direito a pocket show da cantora Rhaysa Santos, intérprete da música-tema Metáfora, diversos "Guerreiros", munidos de pulseiras especiais e balões temáticos, puderam escolher entre as capas azul e rosa do livro. O próximo evento ocorre em São Paulo, no dia 17 de julho. Confirme presença na seção de eventos abaixo!

***


Papai é pop, muito pop!

Prepare-se para um Dia dos Pais diferente. Marcos Piangers, comunicador, tem duas grandes inspirações dentro de casa: Aurora e Anita. As pequenas são as protagonistas de diversas crônicas presentes em O Papai é pop, livro que será lançado em breve pela Belas-Letras. Separamos um trecho exclusivo para você ter uma prévia do presente do seu pai deste ano:

"Tive filho cedo e algumas pessoas achavam estranho eu estar sempre com um bebê no colo. Pra mim, aquilo sempre foi uma boa companhia. Eu adorava a ideia de ser pai. Mas as pessoas não esperavam isso de mim. Olhavam-me feio na rua. Eu era um caso de patrulhamento inverso: as pessoas esperavam de mim um comportamento PIOR! Ficavam confusas de me ver cuidando de crianças. Nunca esqueço de uma manhã passeando com minha filha na beira da Lagoa, quando dois jovens virados da noite passaram por mim e disseram: "Piangers?!?! Que baita caretão!".
Ser pai jovem está na moda porque as fotos ficam lindas nas redes sociais. Mas quando você está num evento rodeado de mochilas, fraldas, panos pra limpar o nariz e chupetas, as pessoas te olham com pena. Elas não entendem que é uma parte do negócio. Chato ou divertido, isso é ser pai. Ser pai é estar com os filhos. Quando veem a minha cara, as pessoas esperam que eu seja muito louco, deixe as meninas em casa e volte só de manhã; um pai que leva as filhas para a loja de tatuagens e que passeia com elas de moto. Longe disso. Nosso passeio mais radical foi no Parque Tupã."


***




Entrevista exclusiva 
Audácia e coragem para dar a volta ao mundo

A australiana Jessica Watson tinha apenas 16 anos quando velejou ao redor do mundo sozinha e sem paradas. Segundo a jovem, além de todo o preparo e cuidados com a viagem, foi necessária muita audácia e coragem para que o desafio pessoal pudesse ser cumprido.
Conversamos com Jessica, que relatou toda a experiência no livro Destemida, já à venda.

Belas-Letras: Jessica, conte-nos um pouco sobre a repercussão da sua viagem ao redor do mundo dentro de um barco.
Jessica: Têm sido anos incríveis. Eu nunca imaginei que as pessoas poderiam me reconhecer nas ruas ou que eu tivesse a oportunidade de trabalhar com algumas instituições de caridade como a UN's World Food Programme (WFP). Cada experiência ao longo do caminho tem me ensinado tanto. Eu tentei algumas coisas que eu nunca pensei que faria, como por exemplo falar para centenas de crianças em escolas ou dançar na TV! (Jessica participou da versão australiana do programa Dancing with the stars). Mas a melhor parte disso tudo tem sido conhecer pessoas inspiradoras, principalmente os mais jovens.

BL: Em que ponto você acha que estes jovens irão se identificar com a sua história?
Jessica: Eu espero que outros jovens consigam relacionar o fato de que eu sou apenas uma garota comum e que eu estava apavorada quando comecei a velejar. Espero que minha conquista prove que qualquer um consegue conquistar qualquer coisa se começar a planejar isso. Muitas pessoas pensam "eu não conseguiria fazer isso", mas porque não mudar o pensamento para "o que eu preciso fazer para chegar lá"?

BL: Quando você se deu conta de que estava pronta para essa aventura? Conte-nos sobre a reação dos seus pais!
Jessica: Eu contei para os meus pais que queria velejar ao redor do mundo quando eu tinha 12 anos. Eles só me deixaram ir porque sabiam quantos preparos e cuidados foram feitos para a viagem. Eles me apoiaram, mas eu tenho certeza que eles prefeririam que eu apenas quisesse tocar um instrumento ou fazer alguma outra coisa mais "normal".

BL: Por que dar a  volta ao mundo em um barco, sem paradas?
Jessica: Eu amo viajar e visitar lugar incríveis, mas eu queria fazer a viagem sozinha sem paradas para desafiar a mim mesma. E eu (e mamãe e papai!) não estaria confortável se parasse e ficasse sozinha em alguns portos. Teria sido um planejamento e uma logística completamente diferentes se eu tivesse feito paradas.

BL: Antes de partir para o alto mar, você pensou em desistir? Se tivesse de descrever a viagem em apenas uma palavra, qual seria?
Jessica: Eu posso dizer honestamente que não houve nenhum momento em que eu tenha pensado em desistir. Não sei se é possível, mas se tivesse mesmo de definir tudo isso em apenas uma palavra... Bem, eu acho que seria "audácia".

A entrevista completa está lá no nosso blog. Clica!

***



Panelaterapia e Cozinha para dois 
Em clima de São João!

No próximo dia 24 de junho, comemora-se o dia de São João. Para entrar no clima da data festiva, separamos algumas receitas dos nossos autores bons de cozinha! A Tati Romano, do Panelaterapia, ensina a fazer um brigadeiro de paçoca de dar água na boca. Já a Carol e o Duca, do Cozinha para 2, preparam no vídeo abaixo um arroz doce de micro-ondas que fica pronto em pouquíssimo tempo. Boa festa!





***


Tico Santa Cruz lota auditório em bate-papo 

Na última semana, centenas de pessoas de todas as idades lotaram o auditório da MMGerdal na praça da Liberdade em Belo Horizonte. O motivo foi a presença do cantor e escritor Tico Santa Cruz. Entre fotos e muitas perguntas, o autor conversou sobre o seu último lançamento, o thriller policial Pólvora.
O projeto, que leva o nome de Sempre um Papo, tem novo encontro marcado com o músico no próximo dia 30, em São Paulo (Sesc Vila Mariana). 

***


Eventos

4 comentários:

  1. Gente!!! o q é o Pedro Guerra??? Simpático demais gente!!! Essa promo do livro dele, heim??? imperdível!!!
    Essas receitinhas pra festa junina q maravilha!!! Arroz doce no microondas, super fácil!!! Amo essa época do ano!
    O Dom é mesmo muito estiloso. Ainda não o conhecia e a entrevista foi fantástica.

    ResponderExcluir
  2. Oie.

    Quantas novidades. Desvende meu coração parece ser tão fofo quanto o seu escritor. *-* Apesar de não ser grande fã de livros interativos creio que irei arriscar esse. Teve o evento FLI em BH esse fim de semana e eu viajando a trabalho. Super chateada com isso. Sou péssima na cozinha, mas depois quero fazer uma dessas receitas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Que legal essas entrevistas! Precisava de Você é um livro que eu to querendo muito. Pólvora ta na minha lista de próximas leituras, sou fão do Tico, espero gostar.

    ResponderExcluir
  4. Meu deus, quantas entrevistas. Nem sei qual comento direito para não ficar muito grande. Mas Okay, acho que a do Pedro Guerra porque agora eu estou simplesmente viciada na musica Metafora. Acho que porque te tanto a ver com o momento que eu estou passando agora que parece que ela diz que tudo que eu quero dizer iHAOUHAUAHI odeio me sentir assim.
    Mas depois disso até fiquei com uma vontade imensa de ler o livro >< vou tentar comprar o ebook!

    Bjs

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!