Resenha: Uni-Duni-Tê - M. J. Arlidge - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Resenha: Uni-Duni-Tê - M. J. Arlidge

Resenha: Uni-Duni-Tê - M. J. Arlidge

19/10/2016

Edição: 1
Editora: Record
ISBN: 9788501105264
Ano: 2016
Páginas: 322
Skoob
Avaliação:   
Onde Comprar: Amazon

Sinopse: Um assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram.

Thrillers sempre chamam a minha atenção, a adrenalina, o suspense e a tensão que esse gênero carrega em suas páginas é algo contagiante, o mistério presente, deixa o leitor curioso e atento em cada página, a cada momento e enfim quando chega ao clímax, percebemos o quanto ficamos envolvidos com a história, em Uni-Duni-Tê não é diferente, em pouco tempo, finalizei a leitura, não consegui me conter e devorei esse thriller policial tão incrível! O enredo criado M. J. Arlidge é sagaz, inteligente, envolvente e sangrento.

Uni-Duni-Tê possui uma história envolta do macabro, em que um serial killer está disposto a tudo para ferir suas vitimas de maneiras incalculáveis e essa tensão envolta do assassino é perturbadora, tão intensa, que o leitor passa a sentir na pele a sensação que a dupla de vitimas é forçada a vivenciar para sobreviver. Você teria coragem de matar, se essa fosse a sua única escapatória? Com uma trama fluída e ganchos bem orquestrados, foi fácil me envolver com Uni-Duni-Tê e as 322 páginas passaram em um piscar de olhos, o impacto da trama, a investigação e o desfecho, são um prato cheio aos leitores de um bom romance policial e unindo ao suspense e tensão psicológica, Uni-Duni-Tê mostra até onde o ser humano pode ir para sobreviver.


Com serial killer audacioso, o autor nos brinda com uma história cheia de segredos, há sempre um motivo por detrás das mortes e em Uni-Duni-Tê, cabe a detetive Helen Grace a desvendar esse quebra-cabeças, mas ao fazer isso, requisitos do passado de Grace vem a tona e este é o ponto chave da trama, tudo esta interligado, uma teia de mentiras, violência e vingança, posso dizer que Uni-Duni-Tê surpreende o leitor, seja pelo serial killer, que você terá uma grata surpresa a notar que aqui não teremos um elemento comum, mas sim que foge dos padrões e também uma personagem principal extremamente forte. Helen é uma policial modelo, viciada no trabalho, suas colegas veem nela uma fonte de inspiração, decida e pronta para combater o crime, Grace enfrentará em Uni-Duni-Tê sua nêmesis, um ser humano tão violento, que não medirá esforços para conseguir o que realmente quer, mas como mencionei algumas linhas acima, a razão por detrás, vai contra todas as suposições que o leitor possa ter e assim, concluímos que Arlidge, elaborou uma história vai além de nossas expectativas.

A maior parte da narrativa é em terceira pessoa, no entanto, há fragmentos após alguns capítulos em primeira, revelando parte de um passado perturbador, que liga Helen ao serial killer, confesso que até então, eu pensava que era parte integral sobre a vida da policial, mas M. J. Arlidge novamente traz uma reviravolta para deixar seu leitor totalmente inerte na obra e no fim, desejando ler mais e mais. Com uma escrita única, rica em detalhes, mas não ao ponto de cansar nossa leitura, Uni-Duni-Tê é um romance policial impecável, cada personagem tem seu valor e são importantes em todo contexto, temos a investigação, as situações que cada vítima é forçada a viver e claro, a grande caçada entre o bem e o mal. A ideia de escolha, de forçar as pessoas a escolherem quem vive ou morre, ao meu ver foi bem planejada, pois como cada dupla tem uma personalidade diferente, vemos o desespero tomar formas singulares, mas não pense que o sobrevivente passa a viver tranquilamente, uma grande parte dele foi deixada no cativeiro e esse terror psicológico infligido é forte, assustador, tornado o livro ainda mais macabro, mas deliciosamente envolvente, afinal, você quer, deseja que Helen acabe com toda essa violência, mas a cada investida, erros podem ser cometidos e a tensão acaba tomando conta da nossa leitura.


A editora Record trouxe aos fãs de romance policial e thrillers, uma obra ímpar e tão bem estruturada, que fico contente e feliz por feito Uni-Duni-Tê, furar a fila de leitura, eu não consegui resistir e agora estou ansiosa para ler mais aventuras protagonizadas por Helen Grace! Para fechar a resenha, não poderia deixar de citar o trabalho gráfico da editora. A fonte escolhida no livro é ótima, confortável, as folhas um amareladinhas, quanto a capa, faz jus ao livro. Eu gostei que Uni-Duni-Tê teve uma diagramação simples, pois assim nosso foco maior é na história, que como mencionei é sensacional, uma escolha de peso para os fãs do gênero.

Sammysam Rosa

Escrito por:

Sammy. Casada e apaixonada por livros. Gosto de literatura policial, suspense e terror. Típica pisciana, sonhadora e curiosa.

5 comentários:

  1. Adorei a resenha. Já adicionei o livro na minha lista do skoob, para eu não perdê-lo de vista. Com certeza ele fará parte das minhas próximas leituras. Quero saber o que está por trás dessa mente criminosa, inclusive porque a história me lembrou um pouco o primeiro episódio da série Sherlock.

    http://livroslapiseafins.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Não costumo ler muitos Thrillers, mas a premissa desse me deixou super curiosa.
    Deve ser incrível conferir o que está por trás dessa mente criminosa com todo esse suspense envolvido.
    É muito bom saber que a obra é bem estruturada e achei a capa maravilhosa.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Sammy.
    O legal de livros desse gênero é justamente a adrenalina e prender o leitor de modo que ele não consiga largar o livro até o finalizar a leitura.
    Achei que intercalar a narrativa entre terceira e primeira pessoa permite ao leitor ter visões diferentes dos acontecimentos.
    Abraços.

    Minhas Impressões

    ResponderExcluir
  4. Olá Sammy!
    A premissa desse livro é muito interessante e não deixa de despertar curiosidade e saber que é um romance policial cheio de reviravoltas e bem estruturado, além da narrativa em terceira e primeira pessoa é bem diferente da maioria dos livros que li do gênero. No momento estou escolhendo leituras mais leves, por isso vou passar a dica dessa vez, mas já está anotada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi Sammy.

    Que capa maravilhosa, menina! E lendo sua resenha eu estou desejando este livro na minha coleção, principalmente porque não conhecia o livro e sabendo que é um triller policial conseguiu aumentar minha curiosidade. Já coloquei na minha lista e pretendo adquirir até final do ano.

    Bjos

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!