2017 - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: 2017

Top 3: Melhores e Piores Leituras de 2017

31/12/2017


Último dia do ano! Quem está contando o tempo para o ano novo? Desta vez teremos um Top 3 para retrospectiva. Venha comigo e conheça as melhores e piores leituras de 2017!

Melhores do Ano 

Resenha: Em Águas Sombrias - Paula Hawkins

28/12/2017


Título: Em Águas Sombrias | Autor (a): Paula Hawkins | Editora: Record | Páginas: 364 | Skoob.

Onde comprar: Saraiva | Livraria da Folha.

Sinopse: Nos dias que antecederam sua morte, Nel ligou para a irmã. Jules não atendeu o telefone e simplesmente ignorou seu apelo por ajuda. Agora Nel está morta. Dizem que ela se suicidou. E Jules foi obrigada a voltar ao único lugar do qual achou que havia escapado para sempre para cuidar da filha adolescente que a irmã deixou para trás.
Mas Jules está com medo. Com um medo visceral. De seu passado há muito enterrado, da velha Casa do Moinho, de saber que Nel jamais teria se jogado para a morte. E, acima de tudo, ela está com medo do rio, e do trecho que todos chamam de Poço dos Afogamentos…
Com a mesma escrita frenética e a mesma noção precisa dos instintos humanos que cativaram milhões de leitores ao redor do mundo em seu explosivo livro de estreia, A garota no trem, Paula Hawkins nos presenteia com uma leitura vigorosa e que supera quaisquer expectativas, partindo das histórias que contamos sobre nosso passado e do poder que elas têm de destruir a vida que levamos no presente.

Depois de A Garota no Trem eu estava muito animada para ler outro livro de Paula Hawkins. Com o anúncio da publicação de Em Águas Sombrias, fiquei ansiosa para conhecer a trama que estava dividindo os leitores. Com uma capa incrível e sinopse chamativa as minhas expectativas eram altas e para continuar a tradição decidir novamente optar pelo audiobook e assim como A Garota no Trem foi fisgada pela envolvente história de Paula Hawkins, mas diferente de seu primeiro livro, Em Águas Sombrias temos um enredo com diversas camadas, com uma atmosfera mais densa e sombria. 

A narrativa também é um diferencial neste livro, que conta com múltiplos narradores, além da apresentação da lenda do Poço dos Afogamentos, eu já sabia dessas múltiplas narrativas por conta de outras resenhas e confesso que bateu aquele receio, afinal não sou muito fã desse estilo de narração ainda mais em thrillers, no entanto, eu acredito que pelo fato de estar ouvindo o livro contribuiu muito para uma experiência bastante satisfatória, agradável e envolvente. Ainda gosto mais de A Garota no Trem mas Em Águas sombrias tem um espaço guardado em meu coração, até porque foi uma história surpreendente cheia de segredos e com final impactante mesmo que corrido, claro que teve alguns pontos um pouco confusos e mal encaixados mas nada que diminuísse o meu gosto por este livro, já que estou louca para tê-lo na estante junto com A Garota no Trem

Escolhi o TIM audiobook para ouvir Em Águas Sombrias, o aplicativo é uma parceria entre a TIM Brasil e a Ubook. Quem já usou a Ubook vai gostar bastante pois é similar, a diferença é que no aplicativo da TIM você vai utilizar um valor correspondente ao seu crédito no celular para assinar e assim te dá acesso ilimitado aos títulos do serviço. Foi uma experiência incrível ouvir outra obra de Paula Hawkins pois me deixou muito envolvida e é algo diferente ouvir um livro e até mais intenso por assim dizer, Em Águas Sombrias vai me fazer falta pois foram dias de puro suspense, apreensão e mistério, uma obra que tem tudo para agradar o leitor, principalmente se você escolher o audiobook que te deixa muito atraído pelo enredo.
'
Só pelo simples fato deste livro ter me conquistado demais, deixou aqui a minha recomendação para quem gosta do gênero ou é fã da autora, Em Águas Sombrias é uma leitura incrível! Um ponto legal e que me deixou muito curiosa ao longo da tama foi a lenda do Poço dos Afogamentos que apesar de ser explicado no livro há um leque enorme de possibilidades a respeito dele, ou seja daria até por exemplo ser criado um conto que relate mais dele (ou até mesmo a "publicação" do livro da Nel a respeito da lenda. Nel, uma das peças centrais do livro, é obcecada pelo poço e decide pesquisar a fundo e criar um livro sobre o mesmo) e acredito que foi a parte mais interessante da obra e a que mais gostei, claro os personagens também são interessantes e muito deles nos enganam, você fica realmente sem saber em quem acreditar. Enfim, Em Águas Sombrias foi uma ótima experiência, estou ansiosa por outros livros de Paula Hawkins. 

Resenha: Por Um Toque de Sorte - Carolina Munhóz

26/12/2017


Título: Por Um Toque de Sorte | Autor (a): Carolina Munhóz | Editora: Fantástica Rocco | Páginas: 304 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Livraria da Folha.

Sinopse: De Dublin a Paris, Rio de Janeiro e Hollywood, eles estão por toda parte. São os donos das marcas que você usa, comandam os canais de televisão a que você assiste, criam os aplicativos de celular que você baixa. No segundo livro da série Trindade Leprechaun, iniciada com Por um toque de ouro, Carolina Munhóz dá continuidade à história da jovem Emily O’Connell, uma garota bonita e rica, dona de um império fashion, que descobre ser herdeira de uma rara linhagem desses pequenos seres mágicos considerados guardiões de potes de ouro escondidos. Ela só não esperava que esse legado sobrenatural pudesse levá-la para o centro de um esquema perigoso e cruel. Em “Por Um Toque de Sorte”, Emily deixa seu mundo de glamour para trás em busca de um impostor que rouba toques de ouro. Será que ela será capaz de cumprir sua jornada? Isso ela só vai descobrir no final do arco-íris. Se chegar até lá.

Resenha publicada originalmente no blog Memento Mori, em que fui convidada para resenhar este livro.

Segundo livro da Trindade Leprechaun, Por um toque de Sorte começa exatamente após os acontecimentos de Por um toque de Ouro e assim como seu antecessor este livro termina com um gancho legal para atiçar a curiosidade do leitor, mas mesmo assim Por um toque de sorte continua com as mesmas ressalvas do primeiro livro. O excesso do uso das características para diferenciar os personagens para não haver excesso de seus nomes na narrativa é algo tão exagerado que atrapalha bastante a leitura, deixando bastante repetitiva e pouco agradável. 

Há uma leve melhora no enredo deste livro se compararmos com Por um toque de ouro mas não é algo significativo com que torne Por um toque de sorte melhor que seu antecessor, ambos possuem a mesma estrutura da narrativa e desenvolvimento, por isso mesmo não considero superior ao primeiro e nem pior, mas é neste ponto que percebemos que também não teve o amadurecimento no enredo e nem a correção de pontos prejudiciais que deixam a obra  tão fraca. 

Claro que o livro não é apenas cercando de ressalvas,  há elementos interessantes como os próprios ganchos deixados no enredo que sem dúvidas são surpreendentes, assim como a mitologia construída acerca dos Leprechaun, isto realmente te motiva um pouco a continuar a série, mas também é desanimador notar que não houve uma melhora no aprofundamento do enredo, os personagens continuam rasos e pouco cativantes, o romance tem os mesmos defeitos de seu antecessor e Emily dificilmente se sustenta com uma boa protagonista. A leitura passa rápido mesmo com excesso nas descrições de ambiente e repetição sobre as características dos personagens como citado anteriormente, isto é algo que acaba incomodando bastante mas como a leitura fui no ritmo legal o livro acaba sendo finalizado em pouco tempo. 

Por um toque de sorte é uma leitura interessante a seu modo, mas não é um livro que marca ou que agradará a todo,s somente continuarei a série pois me comprometi a isto, mas eu esperava um pouco mais de melhora no enredo, algo que transformasse a história por completo, deixando o leitor satisfeito e sedento por mais, infelizmente não é isto que acontece, a mudança que notamos é tão pouca que Por um toque de sorte não consegue ser superior ao primeiro livro, mas também não é completamente ruim, só mais do mesmo.

Agora algo que continua ressaltando aos olhos é o trabalho da editora e a qualidade da edição do livro, não nego que a trilogia toda possui uma linda qualidade gráfica mas não é apenas disto que um livro deve ser composto.

Resenha: Cidade dos Ossos - Cassandra Clare

24/12/2017


Título: Cidade dos Ossos | Autor (a): Cassandra Clare | Editora: Galera Record | Páginas: 476 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Livraria da Folha.

Sinopse: Um mundo oculto está prestes a ser revelado... Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca, nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras. Clary sabe que deve chamar a polícia, mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece e os assassinos são invisíveis para todos, menos para ela. Tão surpresa quanto assustada, Clary aceita ouvir o que os jovens têm a dizer... Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios, os Caçadores das Sombras têm uma missão em nosso mundo, e Clary pode já estar mais envolvida na história do que gostaria.

Clary Fray é uma adolescente de 16 anos que vê sua vida sendo mudada de uma hora para outra, de repente sua mãe está desaparecida e ela não tem ideia do que aconteceu com ela, e se ela ainda está viva ou não.

Ela é atacada por um demônio Ravener, que ainda está dentro de sua casa, quando ela tenta achar sua mãe, e ela consegue se livrar dele, mas  antes é atacado por ele, e Jace acaba salvando sua vida.

Jace é um Caçador de Sombras, aquele que vive para matar demônios da terra, e assim proteger os mundanos de todo o mal que possa acontecer com eles, Clary é levada para o Instituto para que seja curada do veneno de Ravener, é assim que ela acaba descobrindo que pode fazer parte do mundo dos Caçadores de Sombras.

Ela fica sabendo que Valentim, um Caçador de Sombras muito poderoso pode estar vivo e com sua mãe, mas o que ele quer em troca é o Cálice Mortal, mas que ninguém sabe onde encontrar, o que sabem é que provavelmente Jocelyn, mãe de Clary pode ter escondido em algum lugar, mas como as memórias dela estão bloqueadas ela não consegue descobrir nada que possa ligar a mãe e o Cálice Mortal.

Além de Jace, ela conhece Isabelle e seu irmão Alec, que também são Caçadores de Sombras, além deles ela conhece também Hodge, o tutor de todos os que vivem no Instituto, ela também fica sabendo que existem Vampiros, Lobisomens, Fadas, Feiticeiros entre outras criaturas do submundo que os Caçadores de Sombras podem combater ou se aliar com eles.

Esse livro eu reli ele, pois a algum tempo eu já tinha lido, mas infelizmente eu não lembrava de nada o que tinha acontecido, para poder dar continuidade a série, já que eu tinha lido apenas os dois primeiros livros, então resolvi pegar o primeiro e reler, para conseguir relembras os acontecimentos.

Lógico que o que mais me deu vontade de reler o livro e ter mais contato com a série de livros foi a série da Netflix, Shadowhunters, onde eu estou acompanhando e gostando muito, mesmo sabendo que muitas coisas estão bem diferentes dos livros, fiquei com muita vontade de retornar nesse mundo que a Cassandra Clare escreveu, e claro espero dar continuidade e terminar todos ainda esse ano, assim podendo ler a nova série dela.

Gosto muito do mundo dos Caçadores de Sombras, e foi isso que mais me motivou a ler novamente, porque sei que os livros são realmente bons, sei que nem todo mundo gosta de série, mas acredito que todos deveriam dar uma chance para ela, não vão se arrepender, pode ser que não seja a queridinha de vocês, mas com certeza será uma experiência muito boa ler esses livros.

Ainda não sei como classificar a série, já que estou relendo os dois primeiros e os outros será novidade para mim, mas o livro Cidade dos Ossos para mim é um livro 4 estrelas, não dei 5 pois como ainda é o começo sei que a série pode me surpreender muito.

E ai, vocês já leram esse livro? Se sim, o que acharam, e a série toda?

Resenha: Por Um Toque de Ouro - Carolina Munhóz

23/12/2017


Título: Por Um Toque de Ouro | Autor (a): Carolina Munhóz | Editora: Fantástica Rocco | Páginas: 272 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Livraria da Folha.

Sinopse: Depois do bem-sucedido O Reino das vozes que não se calam – criado em parceria com a atriz Sophia Abrahão e desde o lançamento na lista dos mais vendidos de ficção nacional da Nielsen – a escritora Carolina Munhóz apresenta Por um toque de ouro, que abre a Trindade Leprechaun, sua primeira trilogia, inspirada nas lendas irlandesas. Ambientado na Dublin contemporânea e protagonizado por uma jovem ligada ao mundo fashion que descobre ser herdeira de uma rara linhagem de seres mágicos considerados guardiões de potes de ouro, Por um toque de ouro é um romance de fantasia urbano e contemporâneo.

Resenha publicada originalmente no blog Memento Mori, em que fui convidada para resenhar este livro.

Uma das partes mais difíceis de ser blogueira literária é escrever uma resenha de um livro que não te agradou, é bem difícil vir apontar ressalvas pois a opinião é muito pessoal e reflete demais em si mesmo. Sempre é uma saga escrever uma resenha assim pois fica difícil encontrar as palavras certas e Por um toque de ouro é exatamente este caso, eu gostaria muito de ter gostado do livro e da série como um todo, principalmente pelo fato de gostar muito da Carolina Munhóz que é uma fofa e simpática, mas infelizmente a leitura não foi como eu esperava.

Por um toque de ouro traz uma nova versão para a lenda dos Leprechaun, a construção desta mitologia na série é bem legal e deixa o leitor curioso em busca de respostas, mas alguns aspectos fracos no enredo acabam prejudicando a leitura ao longo deste livro, assim como dos demais da Trindade Leprechaun. A trama possui elementos previsíveis, um romance sem emoção e instantâneo (infelizmente isto segue em Por um toque de sorte e Por um toque de magia), os personagens além de pouco cativantes despertam mais raiva do que simpatia no leitor, principalmente a protagonista. Emily é egoísta, fútil e mimada, uma personagem muito grosseira e sem uma construção adequada, infelizmente os demais personagens levam o mesmo problema ficando difícil gostar, torcer ou até se apegar ao qualquer um deles, além é claro dos diálogos rasos e frases de efeito. Há pouco que tirar de proveito da leitura mesmo que a esta passe rápido já que os capítulos são curtos e a escrita da autora é fluida e bem simples, mas peca no desenvolvimento e aprofundamento, agora outro ponto que acaba incomodando bastante é a repetição das características dos personagens para evitar o uso dos nomes  deles, isto além de ser bastante incomodativo acaba deixando o enredo bastante confuso...

Enfim, Por um toque de ouro é um livro que pode agradar alguns leitores sim e por isso recomendo que você tire suas próprias conclusões, mas se você for leitor mais exigente não vá com tanta sede ao pote pôs o final deste arco-íris pode não ser tão colorido como você espera. Em relação à edição a editora Rocco está de parabéns, a capa é aveludada, a arte bem bonita e tem efeito no título do livro, além de uma boa diagramação, ornamentos nos capítulos, ou seja é um livro muito bonito que remete bem a proposta da história.

Resenha: Meio Rei - Joe Abercrombie

21/12/2017


Título: Meio Rei | Autor (a): Joe Abercrombie | Editora: Arqueiro | Páginas: 288 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Livraria da Folha.

Sinopse: Ganhador do prêmio Locus, Meio rei foi considerado, em 2014, uma das 5 melhores obras de fantasia pelo The Washington Post e um dos 10 melhores livros para jovens pela Time.
Jurei vingar a morte do meu pai. Posso até ser meio homem, mas sou capaz de fazer um juramento por inteiro.
Filho caçula do rei Uthrik, Yarvi nasceu com a mão deformada e sempre foi considerado fraco pela família. Num mundo em que as leis são ditadas por pessoas de braço forte e coração frio, ser incapaz de brandir uma espada ou portar um escudo é o pior defeito de um homem.
Mas o que falta a Yarvi em força física lhe sobra em inteligência. Por isso ele estuda para ser ministro e, pelo resto da vida, curar e aconselhar. Ou pelo menos era o que ele pensava.
Certa noite, o jovem recebe a notícia de que o pai e o irmão mais velho foram assassinados e não lhe resta escolha a não ser assumir o trono. De uma hora para outra, ele precisa endurecer para vingar as duas mortes. E logo sua jornada o lança numa saga de crueldade e amargura, traição e cinismo, em que as decisões de Yarvi determinarão o destino do reino e de todo o povo.
Joe Abercrombie nos apresenta um protagonista surpreendente, numa história de percalços e amadurecimento que abre a trilogia Mar Despedaçado. 

Fazia muito tempo que eu não lia livro de história medieval, com castelos, guerras, vinganças, e essa leitura foi muito boa, e me surpreendeu positivamente.

Yarvi é o filho caçula do rei Uthrik, que nasceu com uma das mãos deformadas, ele é claro não tinha nenhuma vontade ou perspectiva de ter o trono para si, já que seu irmão mais velho era muito melhor para batalhar do que ele e claro o rei que todos esperariam para a sucessão.

Mas o destino quis que Yarvi se tornasse rei, já que seu pai e seu irmão foram assassinados em batalha, então não tinha outra opção para ele se não ser o novo rei, mas é claro que isso não será fácil, já que ele é considerado um homem fraco, sem ambição e sem nenhum preparo ou vocação para ser o novo rei.

É assim que começa a história de Yarvi, onde teremos muita injustiça, ele quer vingar a morte de seu pai e seu irmão, mas ele nunca pensou como isso seria difícil de conseguir, a vingança pode se tornar uma coisa em segundo plano, quando o que realmente importa é se manter vivo para tentar um dia se vingar.

Gostei demais dessa história, ainda não tinha lido nada desse autor e gostei muito de sua escrita, detalhando coisas, momentos e fazendo com que pensássemos como Yarvi e sentíssemos tudo o que ele sentia, sua jornada é longa até saber quem realmente matou seu pai e seu irmão, muitas surpresas virão, muitas coisas reveladas que ele não imagina que fosse realmente verdade e também vai encontrar amigos onde nunca imaginou que poderia contar com alguém além dele mesmo.

A leitura é super rápida e já estou ansiosa para ler o segundo livro da série, que vai ser lançado em outubro, sei que é uma trilogia e que vamos ter todos os livros, acredito que até o começo do ano que vem, então para quem gosta desse tipo de leitura, pode se jogar de cabeça sem medo de gostar e não ter o próximo livro ou saber que vai demorar horrores para ser lançado.

Quero muito saber como vai terminar a aventura de Yarvi, se ele vai conseguir se casar como pensa, se vingar como quer e governar como é de direito, para isso vou ter que esperar um pouquinho, mas garanto que vou ler e trazer mais resenhas dessa série que já me conquistou.

Resenha: O Mundo Perdido - Michael Crichton

18/12/2017


Título: O Mundo Perdido | Autor (a): Michael Crichton | Editora: Aleph | Páginas: 488 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Americanas.

Sinopse: Seis anos se passaram desde os terríveis acontecimentos no Jurassic Park. Seis anos, desde que o sonho extraordinário, nos limites entre a ciência e a imaginação humana, acabou se tornando um trágico pesadelo. A Isla Nublar não era o único lugar usado por John Hammond em suas pesquisas genéticas de ponta. Agora, o matemático Ian Malcolm e uma equipe de cientistas – além de certos “pequenos clandestinos” – devem explorar outra ilha na Costa Rica, repleta dos mais perigosos dinossauros que já caminharam pela Terra.

Richard Levine tem em mente que a extinção dos dinossauros não foi por acaso e quer provar para Ian Malcolm que ainda existe alguma coisa sobre eles, pois todos suspeitam que a InGen conseguiu trazer esses grandes animais a vida novamente.

Levine da aula em uma escola e tem como ajudantes Kelly e Arby, dois alunos da sétima série que ele pediu ajuda, já que ele tem uma leve impressão que o estão seguindo, e os garotos podem fazer coisas para ele sem levantar suspeitas, é claro que Kelly e Arby tem grande consideração ao seu professor e o ajudam com prazer, já que são bem interessados nas aulas dele.

Até o dia em que Levine some, não vai dar aula, alguns sabem que ele foi para a Costa Rica, mas já era para ter voltado, preocupados Kelly e Arby vão procurar Thorne, um engenheiro que está em um projeto para Levine de fazer um trailer mais reforçado para uso em campo para descobrir alguns animais, mas Thorne também não sabe onde ele está e tenta alguma comunicação com ele via telefone satélite, e consegue, descobre que ele esta em apuros, precisando de ajuda, só não sabe onde ele está.

É quando ele chama Ian Malcolm para ajudar a descobrir onde Levine está, as crianças também ajudam e descobrem que ele está na Islã Sorna, sozinho e sem nenhum tipo de aparelho ou algo para ajudar, eles decidem ir socorre-lo, mas as crianças estão proibidas de irem.

Como já sabemos na história, na Islã Sorna, está o que a InGen chamava de Sitio B, onde eles criavam os dinossauros e depois transferiam para a Islã Nublar, que continha o parque que não deu certo.

Como gostei muito de ler Jurassic Park, resolvi ver se achava o livro Mundo Perdido para ler, e consegui, claro que me empolguei com a leitura do mesmo jeito que o primeiro e como estou de férias consegui ler em apenas 2 dias, sou fascinada pelo mundo dos dinossauros e suas aventuras, como também sou pelos filmes da franquia Jurassic Park, e esse livro não tem muita coisa a  ver o filme homônimo, apenas uma ou outra parte se parece com o filme, para mim foi uma aventura totalmente inesperada e nova.

Com eles na Islã Sorna, já sabemos que nem tuda correrá do jeito planejado, isso é fato, as crianças dão um jeito e acabam indo junto com eles sem saberem, apenas chegando lá descobrem que estão na ilha, mas elas conseguem ajudar e muito todos, já que são feras em computador e assim podem ver tudo o que está na ilha e avisar ao grupo que veio ao resgate de Levine o que está acontecendo e quais os animais mais próximos.

Como sempre as estrelas do livro são o Tiranossauro Rex e os Velocirrapitores, que sempre estão no meio do caminho onde quer que eles fossem.

Ilha além dos dinossauros, descobrimos que tinha um complexo de pesquisas e casas para quem lá trabalhasse tivesse onde morar, mas como sempre tudo abandonado, e com os dinossauros tomando conta de tudo.

Vocês devem estar perguntando, mas vale a pena ler a continuação desse livro? Se você gostou tanto quanto eu de Jurassic Park, vai adorar Mundo Perdido.

Saldo Literário Novembro

17/12/2017


Confira os posts, vídeos e recebidos que tivemos em Novembro! Teve muita coisa incrível! Olha só:

Top 3: Fotos do #DesafioMinhaEstante - Novembro

16/12/2017


O #DesafioMinhaEstante foi um sucesso e hoje vim mostrar as fotos que mais gostei durante o mês de Novembro! Olha foi muito difícil escolher apenas três diante de tantas fotos lindas, todos capricharam! Para quem não conhece, o #DesafioMinhaEstante foi criado pelo Da Imaginação à Escrita e o Pobre Leitora, é um desafio mensal com temas variados para ser postado durante sete dias.

Confira agora os meus três favoritos do #DesafioMinhaEstante de Novembro: 




Não deixe de participar #DesafioMinhaEstante deste mês! Confira os temas: (www).

Sorteio de Natal: Blogueiras Unidas

15/12/2017


O fim do ano está chegando e o Grupo Blogueiras Unidas (Blogs As 1001 Nuccias, Entre Livros e Pergaminhos, CuraLeitura e Clube do Livro e Amigos) quer comemorar o ano incrível que 2017 foi e torcer para que 2018 seja muito mais junto com vocês!

Daí, convidamos uma galera linda para participar de um sorteio coletivo de responsa!

Venham com a gente!

Resenha: Orgulho e Paixão - Nora Roberts

14/12/2017


Título: Orgulho e Paixão | Autor (a): Nora Roberts | Editora: Harlequin Books | Páginas: 192 | Skoob

Onde comprar: Amazon, Livraria da Folha.

Sinopse: Uma mulher vibrante e criativa que não quer um envolvimento amoroso. Um homem paciente, determinado e que tem todos os passos de seu futuro traçados. Um amor que nasce de uma atração improvável, mas inegável. Shelby Campbell é uma mulher única que sempre fugiu dos padrões estabelecidos para as mulheres que fazem parte do cenário político de Washington. E ela tem uma regra clara: nunca se envolver com políticos. Até conhecer Alan MacGregor, e entender que regras servem para ser quebradas. Alan está determinado a conseguir o que quer, e não vai deixar uma disputa de séculos entre os MacGregor e os Campbell ficar entre ele e o grande prêmio: o coração de Shelby. Sequência da série MacGregor, Orgulho e paixão narra uma nova história da família que acha que está no topo do mundo, que vivem entre o poder e a glória. Até que os seus corações sejam roubados.

Cortesia em parceria com a editora.

Este é o terceiro voluma da Coleção MacGregor, e já resenhei os dois primeiros por aqui. Quem viu as minhas resenhas, sabe que eu adorei as histórias, sendo a primeira a que mais me conquistou. Orgulho e Paixão segue o mesmo estilo de seus antecessores, porém, entre os três lançados até agora, esse foi o mais fraco em minha opinião.

Agora é a vez de Alan MacGregor, o primogênito da família, encontrar o seu par. Ele é um cara muito ocupado com a política, já que ocupa o cargo de Senador, e futuramente quem sabe, o de Presidente! Com isso, sua vida é cercada por festas de pessoas importantes, reuniões, planejamentos... Não sobra tempo e disposição para encontrar a mulher que será sua companheira. Mas isso muda quando em uma dessas festividades, Alan encontra Shelby Campbell, uma mulher totalmente diferente de todas com que ele já ficou ou imagina ficar!

A atração entre os dois é instantânea e muito mais forte da parte dele. Shelby, apesar de sentir as famosas faíscas, é totalmente contra a ideia de se envolver com algum político e entrar novamente no meio desse mundo. E aí está a única problemática do livro e o que me desanimou um pouco. Shelby tem um trauma em sua vida que a faz ter medo de se envolver com homens que ocupem qualquer cargo politico, e esse medo se estende a tudo. Apesar de vir de uma família e ter crescido nesse meio, e até de levar jeito pra coisa, Shelby se recusa a se envolver e com isso, como amar e ficar junto justo de um senador? 

Os dois formam um casal bonito e interessante, principalmente por ele ser cara de um homem de negócios e ela faze mais o estilo hippie, mas o grande problema que mantem os dois afastados e numa constante luta por amor e poder não me foi o suficiente. Não que nas outras histórias também houvesse um motivo muito sério hahaha, mas sempre pareceu uma coisa mais profunda. Um trauma é uma coisa grave, que afeta a vida da pessoa de maneiras inimagináveis, mas no caso de Shelby, não me foi convincente. Logo, com isso, o romance perdeu um pouco a graça. 

De todos até agora acho que esse foi o mais água com açúcar e o mais sem "ação", ainda é uma leitura prazerosa, mas deixa bastante a desejar.  

Resenha: Sensacionalista - Martha Mendonça

13/12/2017


Título: Sensacionalista | Autor (a): Martha Mendonça | Editora: Belas-Letras | Páginas: 192 | Skoob

Onde comprar: Amazon, Submarino.

Sinopse: Você fica on-line e não sabe mais o que é verdade e o que é mentira? De repente você se dá conta de que a realidade parece piada e as piadas poderiam ser reais? Aquele seu amigo depressivo e autodestrutivo exibe uma vida radiante e cheia de significado no Facebook? O apocalipse é um dia sem o Whatsapp? Então seja bem-vindo ao mundo do Sensacionalista, o portal de humor da internet com 2,5 milhões de fãs mais isento que você já conheceu... Depois de ler este livro, você vai ter certeza que, se no futuro alguém resolver estudar nossa geração, pelo menos vai se divertir muito e talvez chegue à conclusão de que tudo não passou de uma grande farsa.

Cortesia em parceria com a editora. 

Difícil falar dessa obra... Bom, todo mundo aqui ou pelo menos 80% das pessoas que usam a internet já devem ter visto ou pelo menos ouvir falar do site Sensacionalista, uma página onde notícias absurdas são postadas visando o humor e absurdo. O livro é nada mais, nada menos, do que uma compilação das notícias postadas no site. E só. Acabou. Mais nada de interessante. 

Pra vocês terem uma noção, no mínimo 50% das barbaridades contidas no livro eu já tinha lido inúmeras vezes na internet. Creio que a ideia da obra seja realmente fazer esse compilado, mas tenho para mim que algumas coisas inéditas funcionariam melhor, dariam uma cara melhor para o livro. Para quem nunca teve contato com o Sensacionalista, é tudo novo e legal, mas pra quem já viu por aí, o livro acaba não trazendo nada de surpreendente. 

Agora, temos outro ponto pro meu desagrado com a obra, e na verdade esse ponto é MUITO pessoal. Para mim, pouquíssimas notícias do site são engraçadas, e com o livro acompanhou isso, é claro. Por exemplo, de 100 reportagens, achei poucas engraçadas. Porém, o Sensacionalista tem um que de desafio, de mostrar o óbvio de modo ridículo, que eu admiro bastante. Muitas notícias presentes no livro te fazem refletir, pensar se aquilo não poderia muito bem acontecer de verdade. Utilizando o humor eles te fazem pensar, o que é ótimo! 

A edição é simples a primeira vista, mas é muito bem feita e muito bonita, com bastante detalhes que deixam tudo muito bonito. Infelizmente, é uma obra que não funcionou em nada comigo. 

Sorteio de um TN

12/12/2017


Que tal começar o ano novo com uma linda caderneta para organizar seu dia a dia? A Camila, colunista do blog está organizando um sorteio incrível no canal:

Resenha: Novembro de 63 - Stephen King

11/12/2017


Título: Novembro de 63 | Autor (a): Stephen King | Editora: Suma de Letras | Páginas: 727 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Submarino

Sinopse: A vida pode mudar num instante, e dar uma guinada extraordinária. É o que acontece com Jake Epping, um professor de inglês de uma cidade do Maine. Enquanto corrigia as redações dos seus alunos do supletivo, Jake se depara com um texto brutal e fascinante, escrito pelo faxineiro Harry Dunning. Cinquenta anos atrás, Harry sobreviveu à noite em que seu pai massacrou toda a família com uma marreta. Jake fica em choque... mas um segredo ainda mais bizarro surge quando Al, dono da lanchonete da cidade, recruta Jake para assumir a missão que se tornou sua obsessão: deter o assassinato de John Kennedy. Al mostra a Jake como isso pode ser possível: entrando por um portal na despensa da lanchonete, assim chegando ao ano de 1958, o tempo de Eisenhower e Elvis, carrões vermelhos, meias soquete e fumaça de cigarro.
Após interferir no massacre da família Dunning, Jake inicia uma nova vida na calorosa cidadezinha de Jodie, no Texas. Mas todas as curvas dessa estrada levam ao solitário e problemático Lee Harvey Oswald. O curso da história está prestes a ser desviado... com consequências imprevisíveis.
Em Novembro de 63, livro inédito de Stephen King, a viagem no tempo nunca foi tão plausível... e aterrorizante. 

Como todos vocês já devem saber, sou fã de carteirinha da nosso mestre King e claro que eu não podia deixar de não ler esse livro, que eu compraria apenas pela capa, já que ela é linda e tem uns efeitos tipo jornal, que sinceramente amei.
Bom vamos começar ao que interessa, Jake Epping é um professor de inglês que vive no Maine, em um dia que ele estava corrigindo redações, ele se depara com a redação de Harry Dunning que é o faxineiro da escola onde ele leciona, ele ficou muito surpreso com o que estava escrito ali, Harry sobreviveu a uma noite literalmente de terror, onde seu pai, matou sua mãe e seus irmãos com um martelo e ele sobreviveu a isso, mas apesar de sobreviver ficou cm sequelas para a vida toda, e isso deixa  Jake muito impressionado, pois ninguém imaginava que Harry fosse um sobrevivente de um massacre que seu próprio pai tinha cometido.

Mas nossa história começa mesmo quando Al, dono de uma lanchonete convida Jake para tomar um lanche com ele, e ele lhe contaria um segredo que há muito tempo guardava, mas o que mais deixou Jake impressionado foi a aparência de Al, ontem mesmo ele estava mais jovem e hoje está mais acabado do que um velho de 80 anos com alguma doença grave, e o Jake não sabe é que realmente Al está doente e que precisa urgentemente contar para alguém de sua confiança o que acontece em sua lanchonete.
O segredo é que dentro da dispensa da lanchonete existe um portal que te faz voltar no tempo, mais exatamente em 1958, como isso acontece, nem o próprio Al consegue dizer, mas que ele viveu muito tempo nesse mundo, sempre voltando quando precisa comprar mais carne para seus lanches, afinal de contas tudo em 1958 era bom e barato e ele então começou a comprar coisas lá e também a querer viver para sempre por lá, mas seu câncer o fez voltar para poder se tratar e achar alguém com quem ele pudesse compartilhar esse segredo.

O que Al quer que Jake faça, é entrar nesse mundo de 1958 e viver por lá até o dia da morte de JK, e por sua vez impedir que o assassino mate o então presidente dos EUA, claro que Jake achou isso uma loucura, mas acabou aceitando a loucura de viver em 1958 e quem sabe impedir um assassinato, aliás um não, mas pelo menos quatro, pois ele também tentará ajudar seu aluno Harry a mudar seu passado e ter sua mãe e seus irmãos de volta, sem que o pai pudesse fazer o massacre na noite fatídica.
Como sempre King nos faz ter o prazer da leitura, é claro que você fica com vontade de voltar no tempo se pudesse achar um portal assim, quem não gostaria? De poder concertar muitas coisas que já se passou e quem sabe melhorar seu futuro, não tem como não querer isso.
A leitura é fácil, apesar de ser um pouco repetitivo, pois uma vez no portal sempre que voltar para o futuro, e entrar novamente no portal, vai acontecer as mesmas coisas de antes, é claro que Jake poderia mudar o que quisesse, desde um simples oi, até uma conversa enorme que teve com alguém, que ninguém que vive em 1958 vai se lembrar do que aconteceu antes.

Gosto dos livros do King porque ele nos faz entrar em um mundo completamente diferente do que estamos acostumados em outros tipos de livro, jamais pensei em ler alguma coisa como esse livro antes, todos sonham com o futuro, mas nunca com o passado.
Se você gostaria de ler um livro do mestre King, mas tem medo de ler pois ele é o mestre dos livros de terror e suspense, pode ser esse tranquilamente, que você só vai se deliciar com a volta para o passado e não tem nenhum aspecto de terror nesse livro, apenas a dificuldade em lidar com o passado e talvez impedir a morte mais famosa dos EUA, do presidente JK.

Noticiário Literário: Editora Harlequin

05/12/2017


Confira os últimos lançamentos de 2017 da editora Harlequin! Olha só quanto romance apaixonante:

Resenha: Querido Dane-se, Kéfera Buchmann

04/12/2017


Título: Querido Dane-se | Autor (a): Kéfera Buchmann | Editora: Paralela | Páginas: 224 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Americanas

Sinopse: Sara tem muitos sonhos, mas também vários problemas para enfrentar. Para começar, seu namorado acabou de uma hora para outra com ela e por WhatsApp. Pouco depois, ela descobriu que o desgraçado está namorando uma socialite linda e admirada. Parou por aqui? Não: Sara, que é estilista de formação, mas trabalha como costureira, atualmente está de plantão na casa dessa socialite, arrumando as roupas dela.
Enquanto lida com o ressurgimento do ex e tenta voltar a achar graça na solteirice, Sara sofre com seu maior medo: fazer trinta anos sem achar a sua cara-metade. Entre lágrimas e muita risada, no entanto, Sara começa a repensar sua vida. E a perceber que está diante de uma pessoa cujos anseios e gostos conhece pouco: ela mesma.
Querido dane-se é a primeira ficção de Kéfera Buchmann, que, sem abandonar o bom humor de sempre, fala sobre autoestima, empoderamento e a importância de compreender os próprios desejos para se tornar alguém feliz.

Cortesia em parceria com a editora.

Depois de Muito mais que cinco minutos e Tá gravando e agora, chegou a vez da primeira ficção de Kéfera Buchmann: Querido dane-se. Em pouco tempo de leitura concluí o livro e fiquei surpresa de ter lido uma obra tão rápido, algo que tem sido cada vez mais difícil, mas como a narrativa de Querido dane-se é bem simples a leitura acaba passando num instante, é até possível terminar a leitura em um único dia por exemplo e vejo isso como algo positivo, pois muitas vezes com o tempo corrido e escasso a leitura acaba ficando para trás então livro com essa pegada mais rápida são uma boa pedida, só que mesmo assim isto acaba impacto em algo crucial, o desenvolvimento do enredo e dos personagens. 

Como dito anteriormente Querido dane-se tem uma linguagem simples e uma narrativa rápida que realmente flui a medida que vamos lendo e infelizmente acaba por não trazer outros pontos que buscamos em um livro, como a emoção, a surpresa e a estima. Querido dane-se não é um livro que chega a surpreender ou que tenha personagens cativantes, é um livro para entreter, diverte em certos momentos mas não vai lhe arrancar suspiros, lágrimas ou emoções fortes. Se é uma leitura descontraída que você busca Querido dane-se é uma boa opção.


Sendo esta a primeira ficção de Kéfera podemos perceber que ela se saiu bem e se houver um aprofundamento e maior desenvolvimento em sua escrita pode futuramente emplacar uma história que agradará a muitos, pois a escrita de Kéfera flui bem e envolve, sua história tem ganchos legais e cenas hilárias. Mas apesar disto e pela  premissa simples, além de clichê, Querido dane-se se assemelha a varias história que todos nós conhecemos ou vimos em outros meios, ou seja não causa um impacto forte no leitor.

Por ser uma obra mais adulta que trata de temas como sexo, álcool, drogas e linguagem inapropriada, algo que aliás chega a incomodar ao longo da leitura, o livro acaba não sendo apropriado para todos os públicos. Jussara ou Sara como ela prefere ser chamada é uma mulher que busca autoconhecimento, um marido e realização dos seus sonhos mas não é alguém muito fácil de conviver, muitos leitores podem se incomodar com a grosseria da protagonista. Sara leva uma personalidade forte, só que egoísta, com momentos de inveja também, ela amadurece um pouco no final mas é algo pelo qual acabamos esperando pelo andar da narrativa ou seja é um enredo que acaba sendo previsível em certos momentos e repetitivos, afinal Sara não cansa de nos lembrarmos que precisa estar casada antes dos 30 e que sua antiga relação terminou pelo WhatsApp


Enfim Querido dane-se não é uma história que vai funcionar para todos, mas posso dizer que esta obra cumpriu seu papel comigo pois entreteve e me rendeu uma leitura legal apesar dos pontos que ressaltei. Para finalizar quero ressaltar o capricho da edição, com cores fortes na capa, folhas coloridas no começo e final do livro, além de uma linda diagramação, a editora está de parabéns pelo trabalho com Querido dane-se.

Sorteio de Natal: 21 Livros - 7 Ganhadores

01/12/2017


O Natal é uma época muito especial e pensando nisso o Da Imaginação à Escrita reuniu os blogs amigos para presentear os leitores! São 21 livros e 7 ganhadores! Não perca a chance! Confira o regulamento do sorteio no final do post. Boa sorte!

Resenha: Jurassic Park - Michael Crichton

29/11/2017


Título: Jurassic Park | Autor (a): Michael Crichton | Editora: Aleph | Páginas: 528 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | FNAC

Sinopse: Uma impressionante técnica de recuperação e clonagem de DNA de seres pré-históricos foi descoberta. Finalmente, uma das maiores fantasias da mente humana, algo que parecia impossível, tornou-se realidade. Agora, criaturas extintas há eras podem ser vistas de perto, para o fascínio e o encantamento do público. Até que algo sai do controle. Em Jurassic Park, escrito em 1990 por Michael Crichton, questões de bioética e a teoria do caos funcionam como pano de fundo para uma trama de aventura e luta pela sobrevivência. O livro inspirou o filme homônimo de 1993, dirigido por Steven Spielberg, uma das maiores bilheterias do cinema de todos os tempos. 

Quem nunca se imaginou dentro de um dos filmes da franquia Jurassic Park? Ok, pode ser que naquele caos todo que acontece não vamos querer estar ali, mas antes, quando tudo esta em perfeita harmonia, que tal viajar pelo parque mais diferente que você já ouviu falar?
É assim que me senti, dentro do Jurassic Park em quanto estava lendo esse maravilhoso livro, sim nem vou precisar falar o quanto gostei de poder finalmente conhecer o livro que deu origem aos filmes, (diga-se de passagem que até pouco tempo não sabia que existia o livro, fica entre nós).
John Hammond teve um sonho, o sonho de muitos, mas que apenas ele conseguiu a façanha, a de recriar os dinossauros, trazer a vida novamente aqueles répteis (que não são répteis apesar de todo mundo achar isso, eles são mais parecidos com as aves) tão fantásticos, que nossa imaginação vai muito além quando imagina que um dia eles viveram na Terra, e que quem sabe poderiam viver entre nós sem nenhum problema.

Só que como a maioria de vocês já sabem, nem tudo são flores, e sim, vários, inúmeros problemas acontecem, afinal estamos falando de seres vivos, onde comem, caçam, pensam e agem do jeito que quiser, e a sua maioria não podem interagir diretamente com as pessoas, mas isso não era problema para John, ele simplesmente queria montar seu parque inimaginável e queria ter a oportunidade de ver os rostinhos de cada criança, encantada com o que está vendo na sua frente.

Antes de abrir oficialmente o parque, que ainda vai levar mais um ano de reformas e trabalho para estar tudo pronto, John convida algumas pessoas para dar sua opinião sobre o parque, entre eles estão Allan Grant e Ellie Sattler, um paleontólogo e a outra paleobotânica, especializados claro em dinossauros, mas apenas aquelas já mortos a milhares de anos, também Ian Malcolm, um matemático, que adora a teria do caos, e que vai ensinar muitas coisas no passar da história que essa teria existe e está correta. Fora eles temos as crianças Tim e Lex, os netos do Sr. Hammond, e aqui no livro o mais velho é Tim de 11 anos e Lex tem 8.

Logo que eles chegam ao parque, é claro e lógico que eles ficam maravilhados com o que eles veem, dinossauros vivos, em pleno século XX, como isso é possível? Nunca em suas vidas eles imaginaram que iriam ver uma coisa dessas, vários dinossauros que só viam apenas em suas escavações, entre os vários dinossauros temos os Dilofossauros, T-Rex, Velocirraptor entre outros (são muitos não me lembro de todos os nomes).

Logo no começo da leitura me identifiquei com o filme é claro, não tem como não relembrar e querer assistir novamente, no início posso falar que apenas poucas coisas não vimos dentro do filme, e claro, esse mundo sempre me fascinou então não tem como eu não falar bem dos dois.
Não vou ficar aqui comparando um com o outro, é claro que o livro é bem mais interessante, pois vemos mais coisas que acontece, ficamos mais tempo dentro do parque, que simplesmente amo, mesmo acontecendo todo aquele caos, isso poderia mesmo existir, imagina só em vez de ir no zoológico para ver leão e tigres, que tal ver T- Rex, Velocirrapctor entre outros, aqueles mais fofinhos também que não me lembro o nome, que apenas comem folhas e não corre o risco de ser comigo pela atração principal do parque.

Vale a pena ler o livro? Sim vale muito a pena, nunca é demais conhecer o que realmente o autor queria com sua história, ele queria te levar para uma viagem extraordinária, onde tudo pode acontecer, mas que infelizmente acabou mal, isso não é spoiler afinal já sabemos o que vai acontecer, não tudo, pois algumas coisinhas são diferente e me surpreendeu positivamente, e adorei o final do livro como ele é, acho que é o melhor.
O que vocês estão esperando para entrar nessa incrível viagem até a Isla Nublar, e entrar nesse parque e quem sabe ficar de cara com um T- Rex? E ai? Tem coragem? Eu tive e foi a melhor viagem e leitura dessa ano, posso garantir a vocês.

Resenha: Liberdade na vida é ter um amor para se prender - Fabrício Carpinejar

27/11/2017


Título: Liberdade na vida é ter um amor para se prender | Autor (a): Fabrício Carpinejar | Editora: Belas Letras | Páginas: 80 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Livraria da Travessa.

Sinopse: A coleção íntima de guardanapos do poeta Fabrício Carpinejar ganha as páginas de um livro pela primeira vez em Liberdade na vida é ter um amor para se prender. Aqui estão oitenta frases impressas à mão, tal qual como foram concebidas, que juntas contam uma história, da turbulência dos relacionamentos à busca pela felicidade, com as cores e as palavras que só a caneta de Carpinejar é capaz de revelar. Uma edição toda escrita à mão pelo próprio poeta, multicolorida, que não é apenas um livro, mas é também um presente, com páginas destacáveis, para você compartilhar ou fazer com elas o que mais sua criatividade permitir.

Cortesia em parceria com a editora.

Novo lançamento Editora Belas-Letras, Liberdade na vida é ter um amor para se prender é uma bela coleção de frases e o autor Fabrício Carpinejar. Este é o segundo livro do escritor e tem o prazer de trazer a resenha, afinal assim como em Amor à moda antiga, Liberdade na vida é ter um amor para se prender somos apresentados a uma atmosfera cheia de sentimentos, amor e emoção, eu fiquei encantada com a delicadeza e beleza de cada uma das frases compostas neste livro, todas elas são muito tocantes e literalmente te faz suspirar ao longo das páginas! 

Como é um livro curto, com menos de 100 páginas a leitura fui em pouquíssimo tempo mas te transforma e alegra com que é encontrado neste exemplar tão lindo. Não somente as frases nos enche de emoção como também a edição que ressalta os olhos, a capa é aveludada e possui textura próxima ao título, além de detalhes nas bordas para aparecer realmente um guardanapo aliás cada uma dessas frases foi escrita à mão pelo autor em guardanapos e reproduzidas exatamente como ele as criou ou seja além de você tem uma onça lindas frases terá também uma edição super caprichada! 

Outro detalhe interessante é que se você quiser presentear alguém por exemplo as páginas podem ser destacáveis. Enfim Liberdade na vida é ter um amor para se prender é um livro belíssimo e tão gostoso de ler que já ficamos com vontade de voltar tudo de novo só para ter novamente o encanto das palavras de Fabrício Carpinejar pois são repletas de significados, tocantes e maravilhosas. 

Quotes: As Brumas de Avalon - Marion Zimmer Bradley

23/11/2017

"O mundo das fadas se afasta cada vez mais daquele em que Cristo predomina. Nada tenho contra Cristo , apenas com seus sacerdotes que chamam a Grande Deusa de Demônio e negam seu poder ao mundo."
"Avalon estará sempre ali para todos os que puderem buscar o caminho, por todos os séculos e além dos séculos. Se não puderem encontrar o caminho de Avalon, isso talvez seja um sinal de que não está pronto pra isso."
"Não existe história totalmente verdadeira. A verdade tem muitas faces e assemelha-se à velha estrada que conduz a Avalon."

Resenha: Para Todos os Garotos que Já Amei - Jenny Han

22/11/2017


Título: Para Todos os Garotos que Já Amei | Autor (a): Jenny Han | Editora: Intrínseca | Páginas: 320 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Submarino.

Sinopse: Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos.
Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

Mensalmente no grupo de leitores Pobre Leitora e Da Imaginação à Escrita fazemos uma leitura coletiva e neste mês o livro mais votado foi Para todos os garotos que já amei da autora Jenny Han. Após ler a sinopse eu fiquei entusiasmada para esta leitura, pois esperava que fosse um enredo com bastante humor e mesmo possuindo passagens que levam a este gênero a obra de Jenny Han é muito mais do que isso e se mostrou um Young Adult fofo e gostoso de ler. 

Eu alternei a leitura deste livro com outro mais denso que ainda estou lendo e acredito que este fator também foi importante para que história de Lara Jean me conquista-se, mas mesmo que bonitinha e envolvente a obra não é exatamente um livro que leva o leitor as lágrimas ou a uma emoções a flor da pele como outros livros do gênero, só que mesmo assim Para todos os garotos que já amei dá uma leveza na rotina de leituras. Sabe quando você está de ressaca literária ou um pouco saturado daquela leitura que nunca acaba? Pegue para ler Para todos os garotos que já amei pois irá amenizar a tensão e curar aquela ressaca brava! 

A história de Lara Jean é divertida, contagiante e com personagens carismáticos, mesmo que bastante clichê Para todos os garotos que já amei é uma fofura, uma leitura muito boa e contagiante, em certos momentos eu fiquei com um pouco de raiva da protagonista por conta de algumas atitudes egoístas e inseguranças, mas Lara Jean amadurece ao longo da narrativa o quê me deixou bastante encantada e claro não consegui desgrudar o livro antes que chegasse ao fim. 

Narrado em primeira pessoa Para todos os garotos que já amei flui perfeitamente e num instante a leitura pode ser concluída te deixando com vontade de correr para ler os próximos volumes desta trilogia. O romance criando pelo autora é bonitinho e cheio de teor adolescente tão presente nos Young Adults e é claro que me contagiou, somente não favoritei ou dei a nota máxima porque ainda faltou algo que deixasse as minhas emoções ao extremo, claro que nem todo livro deve te deixar deste modo, afinal a leitura tem como principal fator te entreter e divertir exatamente o quê Para todos os garotos que já amei faz e muito bem, portanto se você busca uma leitura leve,  descontraída e com muito bom humor,  além de um romance fofo, aposte neste livro. 

Semana #BlackFriday: E-books com desconto!

21/11/2017


Está chegando o dia que muitos leitores aguardam o ano todo: Black Friday! E claro que na semana desta data tão importante a Amazon preparou ofertas incríveis para todos os gostos!


Mais e-books da Editora com desconto!

Milhares de e-books maravilhosos com desconto!

Resenha: Confissões do Crematório - Caitlin Doughty

20/11/2017


Título: Confissões do Crematório | Autor (a): Caitlin Doughty | Editora: DarkSide Books | Páginas: 260 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | Americanas.

Sinopse: Ainda jovem, Caitlin conseguiu emprego em um crematório na Califórnia e aprendeu muito mais do que imaginava barbeando cadáveres e preparando corpos para a incineração. A exposição constante à morte mudou completamente sua forma de encarar a vida e a levou a escrever um livro diferente de tudo o que você já leu sobre o assunto.
Confissões do Crematório reúne histórias reais do dia-a-dia de uma casa funerária, inúmeras curiosidades e fatos filosóficos, históricos e mitológicos. Tudo, é claro, com uma boa dose de humor. Enquanto varre as cinzas das máquinas de incineração ou explica com o que um crânio em chamas se parece, ela desmistifica a morte para si e para seus leitores.
O livro de Caitlin – criadora da websérie Ask a Mortician – levanta a cortina preta que nos separa dos bastidores dos funerais e nos faz refletir sobre a vida e a morte de maneira inteligente, honesta e despretensiosa – exatamente como deve ser. Como a autora ressalta na nota que abre o livro, “a ignorância não é uma bênção, é apenas uma forma profunda de terror”.

Fazia muito tempo que eu queria ler esse livro, desde que vi uma blogueira falar muito bem e dizer que em 2016 a editora DarkSide iria trazer como um de seus lançamentos, então vibrei com a notícia e esperei, até que então ele foi publicado, comprado e lido por mim, para minha alegria gostei muito do que li.

Esse livro é um não ficção, onde vamos conhecer a história de Caitlin Doughty, uma mulher de seus vinte e poucos anos que estava entediada com a vida que levava, e que tinha muita curiosidade sobre a morte, quando ela começou a pesquisar um emprego, ela mandava seus currículos para casas funerárias, onde ela gostaria de aprender o oficio e claro saber mais do que acontece depois que nós morremos.
Claro que ela não conseguiu o emprego logo de cara, mas finalmente conseguiu, então ela foi trabalhar para uma casa funerária onde deveria arrumar os mortos e cremá-los posteriormente, ela queria saber tudo o que acontecia, como somos tratados pelas funerárias, o que acontece com o corpo, como é cremado, como é embalsamado, essas duas práticas são muito comuns nos EUA, aqui no Brasil nem tanto, o que temos muitas das vezes é enterrar o corpo sem nenhuma preparação para o velório ou a cremação.

Para você que ficou curioso, e um bom livro, desde que tenha um estomago forte para certas cenas contadas pela autora, o que acontecia, como muitos corpos chegavam a casa funerária, tem que ser bem mórbido para essa leitura e confesso que ela conseguiu matar algumas de minhas próprias curiosidades sobre o assunto.
É claro que quando falamos em morte, nunca queremos presenciar a morte de um ente querido ou de um amigo, mas a única certeza que temos é que vamos todos virar carne para apodrecer ou virar cinzas, que não passamos disso, como a própria autora cita.
Para um livro de não ficção ele me surpreendeu bastante, pensei que com a leitura ele iria acabar se tornando chato e sem graça, mas não, Caitlin tem um jeito bom de convencer você a terminar de ler o livro, a chegar até o final com sua narração de ótima qualidade e claro, aguçando sua curiosidade para saber se ela gostava ou não da profissão que escolheu e se iria continuar com ela.

A diagramação está ótima, encontrei alguns errinhos de ortografia, mas nada que atrapalhe a leitura, como sempre a Dark Side caprichou na edição onde temos capa dura com altos e baixos relevos, folha de guarda linda e a fitinha de cetim como marcador.
Para essa leitura atribui 4 estrelas, apenas por considerar que  assunto é um pouco diferente e estranho para o nosso entendimento e lembre-se, você tem que ser um pouquinho mórbido e com estomago forte para as cenas descritas nesse livro, caso contrário, não aconselho a leitura.