Resenha: Alina - Emília Lima - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Resenha: Alina - Emília Lima

Resenha: Alina - Emília Lima

17/07/2017


Título: Alina | Autor (a): Emília Lima | Editora: Pedrazul | Páginas: 188 | Skoob.
Onde Comprar: Amazon | Saraiva | Site da editora.

Avaliação: ★★★
Sinopse: Ambientada na Bahia século XVI, com passagens em Lisboa, Alina conta a história da família Cirilo, que veio de Portugal com o intuito de ajudar na colonização do Brasil. Alina Cirilo amou o jovem advogado Pedro Garcia desde a primeira vez que o viu – um grande amor, porém, proibido. Apaixonada por Pedro, com quem havia se deitado, ela é enviada pelo pai para longe, mas já levava a semente dele dentro de si. Sem escolha, longe de casa, vivendo em meio aos índios, ela conhece Naru, um mestiço com modos de fidalgo. Sozinha, carente, ela deixa-se conquistar pelo jovem belo e doce mestiço, embora nunca tenha esquecido Pedro. Amor, laços familiares, renúncias, traições e reencontros surpreendentes.
Cortesia em parceira com editora.

Retratado no Brasil colonial, Alina é um romance doce, gostosinho de ler e envolvente. Narrado em terceira pessoa temos uma história de amor que ultrapassa o tempo e que com certeza vai agradar bastante os leitores dos enredos de época, além daqueles que procuram uma leitura cheia de romance. 

Talvez por Alina ser um enredo mais simples sem uma carga extrema de drama e emoção, acabou não despertando a empatia desta leitora que vos fala; Claro que gostei bastante do livro, a escrita da Emília Lima é boa, seus personagens são simpáticos e o romance empregado no livro é bonitinho, fofo, mas não chega ao ponto de te fazer suspirar, de arrancar lágrimas ou te cativar por completo, é uma trama doce sem ser açucarada, mas ainda sim sem despertar fortes emoções, sinto como se ainda faltasse uma certo amadurecimento no enredo para que ele atinja seu auge e toda beleza que pode despertar nos leitores.


Um dos pontos que mais gostei em Alina foi retratar o nosso país na época da colônia, temos muitas referências deste período e a autora nos situa muito bem na narrativa, é uma trama que consegue envolver de um modo legal, a qual visualizamos a atmosfera em que os personagens vivem. No entanto a respeito dos personagens mesmo a simpatia que revelam, apenas Naru teve um brilho para mim, na verdade fiquei um pouco sentida com seu desfecho pois é um personagem ótimo, acreditei mais em seus sentimentos por Alina do que os de Pedro, eterno amor da nossa protagonista, a emoção e força que Naru irradiava no enredo foi mais intensa que do casal e creio que por esta razão ele foi o meu personagem favorito neste romance. Alina e Pedro apesar de viverem um amor intenso, capaz de superar o tempo e até o preconceito, foram um pouco forçados em alguns momentos, não consegui sentir empatia suficiente para torcer por eles, não que eu pensei que o amor deles não era verdadeiro, apenas não foi tão convincente como os sentimentos de Naru por exemplo, no entanto compreendo a escolha da protagonista. 


Enfim, com pouco mais de cem páginas e de leitura agradável, Alina é um bom livro, com ótima ambientação, personagens amáveis e uma trama doce, sua edição está muito bonita a começar pela capa, gostei muito dos tons escolhidos da arte, a diagramação interna também está de parabéns, fonte confortável, bom espaçamento e folhas amareladas. Um detalhe legal e que também apreciei bastante foram as ilustrações que compõem o livro, dando ainda mais beleza a obra de Emília Lima. 

Para que gosta de um bom romance, Alina com certeza vai te agradar bastante, seja por suas referências, quanto pelo clima de época e a doçura da história, sem dúvidas um conto de fadas bem bonito passado em nosso Brasil colonial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!