Resenha: O Menino Feito de Blocos - Keith Stuart - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Resenha: O Menino Feito de Blocos - Keith Stuart

Resenha: O Menino Feito de Blocos - Keith Stuart

13/10/2017

Título: O Menino Feito de Blocos | Autor (a): Keith Stuart | Editora: Record | Páginas: 378 | Skoob.

Onde Comprar: Amazon | Americanas.

Sinopse: Uma história sobre um pai e seu filho autista, e sobre um jogo que mudou suas vidas. Alex ama sua família, mas tem dificuldade em se conectar com Sam, o filho autista de oito anos. A tensão crescente da rotina leva seu casamento ao ponto de ruptura. Jody não aguenta mais o marido ausente e que pouco participa da vida do filho. Então Alex vai morar com o melhor amigo, e passa a dormir no colchão inflável mais desconfortável do mundo. Enquanto Alex enfrenta a vida de homem separado, cumpre a função de pai em meio-expediente e é confrontado com segredos de família há muito enterrados, seu filho começa a jogar Minecraft. E o que acontece depois disso é algo que nem Alex, nem Jody, nem Sam poderiam imaginar. Inspirado no relacionamento do autor com seu filho autista, O Menino Feito de Blocos é um livro emocionante, engraçado e verdadeiro sobre o poder da diferença e sobre um menino para lá de especial.

Cortesia em parceria com a editora.

Quando eu vi o lançamento desse livro, fiquei bem curiosa para ler, e depois de muito tempo, finalmente consegui o livro e mais do que depressa peguei para ler, então vamos ver o que achei desse livro.
Alex e Jody são casados, mas depois de tantas brigas, ele resolveu sair de casa e ir morar com seu melhor amigo Dan, Alex não está conseguindo lidar com tanta pressão em casa, além das brigas frequentes com sua esposa, os dois tem um filho, Sam, que é autista e por isso exige mais cuidados de ambas as partes, mas mesmo sabendo disso, ele não aguentou e resolveu sair de casa.
Sam é um menino doce e amável, apesar de ter o autismo, é bem inteligente, mas como todos, pode enfrentar bulling na escola, não tem amigos, e não gosta de sociável com as pessoas, então isso dificulta muito o convívio dele com outras pessoas, mas como sabemos, a maioria das pessoas autistas são assim, dificilmente elas têm um convívio normal com pessoas, mas sabemos que isso pode ser melhorado.

Quando Dan deixa Alex ir morar em sua casa, ele tentar mostrar para ele o que pode ser feito para melhorar seu relacionamento com Jody e assim quem sabe poder voltar para sua casa e sua família, já que Sam, como seu filho também precisa dele, e Alex vai tentar ser um pai mais presente em sua vida, já que nos últimos tempos ele nunca estava presente para dar a atenção devida para seu filho, o que ele não imaginava é que um jogo tão simples como Minecraft poderia conseguir unir ele com Sam, e talvez assim ele começasse a entender melhor seu filho.

O livro vai nos mostrar como é a vida de um casal que tem um filho autista, seus conflitos e obstáculos que eles têm que enfrentar com um filho assim, que nem tudo são flores e que muitas coisas são bem mais difíceis quando se tem uma criança ou adolescente especial em casa, que nada daquilo que queríamos vai ser do mesmo jeito e que tem que ter muita paciência para conquistar tudo.
Todo o livro é escrito em primeira pessoa, na visão do pai, Alex, então podemos ver suas opiniões, as vezes não concordar com ele, e ver como a aproximação dele e seu filho Sam, pode sim melhorar as coisas e ele conseguir finalmente dar a atenção que ele precisa e voltar para sua família.
Adorei ter a experiência com esse livro, diferente do que acabei achando que seria, mas sem me decepcionar e claro, acabei me emocionando com toda a história, vale super a pena dar uma chance para esse livro e deixar ele te emocionar um pouquinho assim como fez comigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!