Especial Semana Rainha: Entrevista com a autora Mari Scotti - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Especial Semana Rainha: Entrevista com a autora Mari Scotti

Especial Semana Rainha: Entrevista com a autora Mari Scotti

08/11/2017


Hoje temos um post especial na Semana Rainha: Entrevista com a autora Mari Scotti!

1. Como você se descreve?
Persistente e paciente. Acredito que seriam os melhores adjetivos para me descrever, porque sou bastante paciente em tolerar situações para alcançar aquilo que almejo e dificilmente desisto. Gosto do que faço e coloco toda minha paixão na escrita, porque desejo que as pessoas se apaixonem pela leitura, assim como eu.
Sou um pouco reclusa, mas adoro conversar, fazer amigos, conhecer pessoas, mesmo me sentindo mal depois por falar bastante. Sou uma máquina de palavras, falo muito. Graças a Deus ultimamente tenho conseguido me controlar e deixar os outros falarem também.

2. Qual o significado dos livros na sua vida?
Sempre amei ler e isso me aproximou bastante da minha mãe quando era menina, porque ela que me ensinou a escrever meus primeiros textos. Mais adulta, escrever me tirou de uma situação bem complicada, estava com depressão, desistindo de tudo, me afastando da família, amigos, pessoas importantes para mim. Quando percebi, me foquei em algo que eu amava fazer e acredito muito que foi Deus que me direcionou a isto. Reencontrei meu rumo, alegria e escrever me ajudou a vencer muitas dificuldades pessoais. Então posso afirmar que os livros e Deus me salvaram muitas vezes e me trouxe muitos novos amigos.

3. Cite 3 autores e livros favoritos.
Amo Crepúsculo e A Hospedeira e a narrativa da Stephenie Meyer.
A Denise Flaibam com Os Mistérios de Warthia.
E a Keila Gon da série Cores. Ela sabe como criar um mistério sobrenatural envolvente, instigante e tão palpável que as vezes parece ser capaz de se tornar realidade.


4. Quando você começou a escrever e por quê?
Comecei a escrever entre dez e doze anos de idade, mas minhas histórias não eram legais não. Vejo essas meninas que publicam tão novinhas e fico pensando que eu era bem atrasada nessa idade, não sabia formar frases direito, menos ainda personagens! Fico admirada com quem consegue.
Gostava de ler muito e chegou um momento que eu não tinha mais o que ler na biblioteca da escola e comecei a reclamar com a minha mãe. Ela me apresentou um livro que estava escrevendo. Achei tão incrível que minha mãe escrevia que quis imitar. O livro que ela escreveu, na época, conseguimos publicar a pouco tempo e se chama Uma Janela Fechada.
Esse desejo reascendeu depois que li Crepúsculo e descobri qual era o meu estilo preferido de escrita: fantasia. O desejo de publicar veio depois de conhecer a escritora nacional Nazarethe Fonseca, pois vi que existiam escritores no Brasil tão incríveis quanto os que eu gostava estrangeiros.

5. Você é muito envolvida com projetos de reconhecimento e divulgação da literatura nacional com a fanpage Literatura Nacional BR e seu Blog Coração de Papel. Como avalia o cenário da literatura nacional atual?
Cada pequena ação, seja de um blogueiro ou vários, seja de um autor ou todos, ou apenas de um leitor que decide por um livro nacional ao invés de outro, muda nossa situação atual. Há quatro anos, quase não se ouvia falar em escritores nacionais – salvo os já renomados. Hoje, vemos muitos dando entrevistas, sendo chamados para eventos, sendo lidos, além de algumas editoras que abriram mais as portas para os brasileiros que possuem esse talento. Eu acredito que é o começo, é árduo, demorado, doloroso, mas em alguns anos teremos o prazer de ver em destaque nas livrarias mais livros nacionais que os estrangeiros, assistiremos filmes baseados em nossas criações e veremos leitores preferindo o que é nosso ao que vem de fora, porque saberão que é tão bom quanto, se não melhor. Fico muito feliz de fazer parte disso, dessa mudança, de ter algum papel, mesmo que mínimo, na conscientização dos leitores, editoras, mídia, entre outros, de que o nacional também tem voz e letra.

6. De onde surgiu a ideia para Insônia e Hibrida?
Ambos os livros eram fanfics que eu publicava no site de Fanfics e alguns personagens eram inspirados na Saga Crepúsculo.
Híbrida: Um dia surgiu uma pergunta na minha cabeça: O que aconteceria com a rixa entre lobisomens e vampiros, se os lobisomens tivessem de criar uma criança vampira ou vice-versa? Da pergunta nasceu a Ellene e toda a trama da série, como de onde ela vem, o motivo de ter sido deixada entre os lobos e também Milosh, o vampiro que teve sua esposa e rainha sequestrada e que precisa descobrir onde ela está, quem é o traidor e como salvar sua espécie do caos eminente.
Insônia: Insônia era para ser um romance somente, comecei a escrever por causa de um amigo rpgista que se intitulava Eros. Criávamos cenários e histórias diversas e na maioria das vezes ele me contava as melhores. Sempre fiquei abismada com a criatividade dele em contar histórias e decidi que dedicaria um personagem a ele. Criei os dois primeiros capítulos de Insônia, porém não consegui continuar, porque meu forte é a fantasia. A história ficou abandonada por três anos até que relendo tive um clique: E se o Pietro não fosse apenas humano? E se tivesse algo mais por trás dessa aparição? Foi assim que a série nasceu.

7. Vemos que se tornou algo viral, escritores de fanfics publicando livros, como você avalia essa transição?
Depende muito do autor. Alguns têm a preocupação de mudar a característica dos personagens, lugares e situações para que não lembre os personagens que o inspirou, mas infelizmente, a maioria, não faz isso.
Acho louvável o escritor que se preocupa em dar aos seus leitores algo realmente original, com personagens que, mesmo sendo de uma ex fanfic, sejam criações de sua mente, do seu coração de escritor.
Eu sou a primeira a apoiar quem escreve fanfic a se arriscar a escrever um livro, mas desta forma, buscando tirar as características dos personagens de outro escritor de seu livro, readaptar a história, complementar descrições, melhorá-la.


8. Algum dos personagens do seu livro foi inspirado em você? Ou em algum amigo, familiar, etc?
Quando começamos é sempre melhor escrever o que conhecemos, e para criar alguns personagens precisei olhar para a minha família, nossa criação e convivência. A Ellene e a Suzanna têm muito de mim, principalmente na forma de enxergar o mundo com inocência demais. Na época eu não conhecia nem livro erótico por exemplo, e a falta de conhecimento da vida fica um pouco evidente na forma que narrei os dois primeiros livros (Insônia e Híbrida). Conforme fui amadurecendo, a escrita também amadureceu e hoje consigo separar bem mais o personagem das minhas influências pessoais.
A Ellene tem uma característica bem pessoal minha: medo de insetos.
As famílias também possuem muito da minha: a união, as brincadeiras, a cumplicidade e o amor.

9. Quais os próximos projetos?
Escrever o terceiro livro da Família Hallinson, o livro do Adam e terminar a distopia! Estou ansiosa também para conseguir um emprego haha.

10. Deixe um recado para os seus leitores.
Muito obrigada por participarem da minha vida, por lerem meus livros e se dedicarem tanto! Eu amo vocês!

BIOGRAFIA DA AUTORA

Paulistana. Nascida em 22 de fevereiro de 1980. Formada em Recursos Humanos pela faculdade das Américas. Aprendeu a amar a literatura desde a infância quando sua mãe lhe mostrou um livro que estava escrevendo. Apoia sem reservas a literatura Nacional. Já gravou CD, compôs e hoje dedica a maior parte do seu tempo aos personagens. Autora das séries Neblina e Escuridão pela Editora Novo Século; série Nefilins; Coleção Família Hallinson e O Cobiçado. Criadora e administradora da fanpage de literatura nacional: Literatura Nacional BR e do Blog Coração de Papel.
Responsável pela Semana do Livro Nacional no Estado de São Paulo desde 2014.


A morte de um ente querido pode desestruturar famílias e uma matilha. Ellene não sabe como superar suas perdas, principalmente agora que não tem mais como recorrer a Milosh. Encontrar a rainha dos vampiros era a sua missão, mas jamais imaginou se sentir tão perdida em conhecer sua verdadeira origem.
Os vampiros desconfiam que Elizabeth III não é quem diz ser, e, se ela não provar sua real identidade, seu reinado padecerá. O reino dos vampiros está ameaçado; os traidores, mais perto do que se imagina. Amigos não são aliados. Então lhes resta lutar pelo trono e pelo futuro do reinado de Elizabeth.

Um comentário:

  1. Adorei sua participação, obrigada pelo carinho e apoio! <3

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!