Resenha: Jurassic Park - Michael Crichton - Da imaginação à escrita Da imaginação à escrita: Resenha: Jurassic Park - Michael Crichton

Resenha: Jurassic Park - Michael Crichton

29/11/2017


Título: Jurassic Park | Autor (a): Michael Crichton | Editora: Aleph | Páginas: 528 | Skoob.

Onde comprar: Amazon | FNAC

Sinopse: Uma impressionante técnica de recuperação e clonagem de DNA de seres pré-históricos foi descoberta. Finalmente, uma das maiores fantasias da mente humana, algo que parecia impossível, tornou-se realidade. Agora, criaturas extintas há eras podem ser vistas de perto, para o fascínio e o encantamento do público. Até que algo sai do controle. Em Jurassic Park, escrito em 1990 por Michael Crichton, questões de bioética e a teoria do caos funcionam como pano de fundo para uma trama de aventura e luta pela sobrevivência. O livro inspirou o filme homônimo de 1993, dirigido por Steven Spielberg, uma das maiores bilheterias do cinema de todos os tempos. 

Quem nunca se imaginou dentro de um dos filmes da franquia Jurassic Park? Ok, pode ser que naquele caos todo que acontece não vamos querer estar ali, mas antes, quando tudo esta em perfeita harmonia, que tal viajar pelo parque mais diferente que você já ouviu falar?
É assim que me senti, dentro do Jurassic Park em quanto estava lendo esse maravilhoso livro, sim nem vou precisar falar o quanto gostei de poder finalmente conhecer o livro que deu origem aos filmes, (diga-se de passagem que até pouco tempo não sabia que existia o livro, fica entre nós).
John Hammond teve um sonho, o sonho de muitos, mas que apenas ele conseguiu a façanha, a de recriar os dinossauros, trazer a vida novamente aqueles répteis (que não são répteis apesar de todo mundo achar isso, eles são mais parecidos com as aves) tão fantásticos, que nossa imaginação vai muito além quando imagina que um dia eles viveram na Terra, e que quem sabe poderiam viver entre nós sem nenhum problema.

Só que como a maioria de vocês já sabem, nem tudo são flores, e sim, vários, inúmeros problemas acontecem, afinal estamos falando de seres vivos, onde comem, caçam, pensam e agem do jeito que quiser, e a sua maioria não podem interagir diretamente com as pessoas, mas isso não era problema para John, ele simplesmente queria montar seu parque inimaginável e queria ter a oportunidade de ver os rostinhos de cada criança, encantada com o que está vendo na sua frente.

Antes de abrir oficialmente o parque, que ainda vai levar mais um ano de reformas e trabalho para estar tudo pronto, John convida algumas pessoas para dar sua opinião sobre o parque, entre eles estão Allan Grant e Ellie Sattler, um paleontólogo e a outra paleobotânica, especializados claro em dinossauros, mas apenas aquelas já mortos a milhares de anos, também Ian Malcolm, um matemático, que adora a teria do caos, e que vai ensinar muitas coisas no passar da história que essa teria existe e está correta. Fora eles temos as crianças Tim e Lex, os netos do Sr. Hammond, e aqui no livro o mais velho é Tim de 11 anos e Lex tem 8.

Logo que eles chegam ao parque, é claro e lógico que eles ficam maravilhados com o que eles veem, dinossauros vivos, em pleno século XX, como isso é possível? Nunca em suas vidas eles imaginaram que iriam ver uma coisa dessas, vários dinossauros que só viam apenas em suas escavações, entre os vários dinossauros temos os Dilofossauros, T-Rex, Velocirraptor entre outros (são muitos não me lembro de todos os nomes).

Logo no começo da leitura me identifiquei com o filme é claro, não tem como não relembrar e querer assistir novamente, no início posso falar que apenas poucas coisas não vimos dentro do filme, e claro, esse mundo sempre me fascinou então não tem como eu não falar bem dos dois.
Não vou ficar aqui comparando um com o outro, é claro que o livro é bem mais interessante, pois vemos mais coisas que acontece, ficamos mais tempo dentro do parque, que simplesmente amo, mesmo acontecendo todo aquele caos, isso poderia mesmo existir, imagina só em vez de ir no zoológico para ver leão e tigres, que tal ver T- Rex, Velocirrapctor entre outros, aqueles mais fofinhos também que não me lembro o nome, que apenas comem folhas e não corre o risco de ser comigo pela atração principal do parque.

Vale a pena ler o livro? Sim vale muito a pena, nunca é demais conhecer o que realmente o autor queria com sua história, ele queria te levar para uma viagem extraordinária, onde tudo pode acontecer, mas que infelizmente acabou mal, isso não é spoiler afinal já sabemos o que vai acontecer, não tudo, pois algumas coisinhas são diferente e me surpreendeu positivamente, e adorei o final do livro como ele é, acho que é o melhor.
O que vocês estão esperando para entrar nessa incrível viagem até a Isla Nublar, e entrar nesse parque e quem sabe ficar de cara com um T- Rex? E ai? Tem coragem? Eu tive e foi a melhor viagem e leitura dessa ano, posso garantir a vocês.

Camila Mazzetto

Escrito por:

Camila. Sua verdadeira paixão está nos livros, blogueira de coração, amo livros de suspense e terror, mas devoro o que tiver pela frente.

Um comentário:

  1. essa franquia marcou a minha infância *_*
    Aliás, de muita gente né?

    Eu achei essa edição tão linda com esse corte maravilhoso *_*

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia com atenção:

Comentários ofensivos não serão aceitos.

Para que você seja retribuído, comente decentemente sobre a postagem, coloque o link do seu blog/site no final do seu comentário.

Comentários com Seguindo, segue de volta e afins, serão excluídos e não irei retribuir!

Críticas são sempre bem vindas, desde que construtivas.


Obrigada e volte sempre!